O "aparelho" só existe no papelCDS pergunta ao Governo onde está o anunciado helicóptero de Braga

O "aparelho" só existe no papel
CDS pergunta ao Governo onde está o anunciado helicóptero de Braga

O presidente da Juventude Popular de Braga, Francisco Mota, denunciou ontem a ausência de qualquer helicóptero ligeiro de combate a incêndios estacionado no Centro de Meios Aéreos (CMA) do Aeródromo de Palmeira, Braga, ao contrário de que foi avançado na última quinta-feira pelo Comandante Distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Braga.

Hermigildo Abreu havia apontado para um reforço de meios no distrito no quadro do Plano Operacional Distrital (PLANOP), nomeadamente a permanência desde o dia 15 de maio de  um helicóptero ligeiro.

Francisco Mota diz, numa declaração efetuada no Aeródromo, que «é mentira», avançando mesmo que o “aparelho” só existe no papel.

«Houve inclusive incêndios com dimensão nesse dia de entrada ao serviço de helicóptero e nada», frisou, denunciando, a propósito, a deslocalização de outro meio que costumava estar em Palmeira, um helicóptero pesado “Kamov”.

PUBLICIDADE

«Como é possível a tutela mandar para Loulé o meio pesado, quando estamos aqui à porta do Parque Nacional da Peneda Gerês numa zona considera de risco de incêndio elevado?», questionou, sublinhando ao mesmo tempo «falta de competência na distribuição dos meios».

Ao que o Amarense/PressMinho apurou têm sido acionados meios aéreos para Braga vindo de Baltar e dos Arcos de Valdevez.

Francisco Mota perguntou ainda «como é possível» que, no Relatório de Avaliação de Incêndios, onde se analisa o do dia 17 de outubro de 2017 que atingiu 75% do território bracarense, o CODIS de Braga apenas tenha recolhido informação junto dos comandantes dos Bombeiros das Taipas e de Guimarães, «esquecendo-se de ouvir os Bombeiros Voluntários, a Protecção Civil Municipal e o Comandante da Companhia de Sapadores», disse, interrogando-se sobre as «reais competências» do CODIS de Braga par ao cargo que ocupa.

Até ao momento, o Codis ainda não se pronunciou.

Luís Moreira (CP 8078)