REGIÃO -
Alterações climáticas vão afectar turismo nos parques da Peneda-Gerês, Litoral Norte e Alvão

As alterações climáticas vão provocar a subida do nível médio do mar e o aumento dos incêndios, o que provocará alterações no uso turístico nas áreas protegidas nortenhas, o Parque Nacional da Peneda-Gerês e os parques naturais do Alvão e do Litoral Norte.

“Ainda não há um modelo que permita definir quais os impactos a médio prazo, mas pode-se prever que, por exemplo, os incêndios diminuirão o uso da floresta e a subida do mar condicionará as praias e as zonas costeiras”, disse a O Amarense a investigadora da Universidade do Minho, Rita Sousa.

PUBLICIDADE

Para estudar o fenómeno, a UMinho obteve financiamento europeu, do Norte 2020, de 545 mil euros para o projecto ClicTour (Alterações climáticas e resiliência do turismo nas áreas protegidas do Norte de Portugal), tendo constituído uma equipa científica multi-disciplinar liderada pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) e pelo Núcleo de Investigação em Políticas Económicas e Empresariais (NIPE), ambos da UMinho.

Tem a parceria do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e das três reservas naturais.

O concurso “reforça as capacidades regionais de investigação científica, do desenvolvimento tecnológico e da inovação, apoiando a acumulação de competências científicas relevantes em áreas fundamentais para a concretização da estratégia regional de especialização inteligente”.

A equipa realizou, há dias, o primeiro seminário do projecto, no concelho de Terras de Bouro.

RISCOS

Rita Sousa adianta que o ClicTour desenvolverá, em dois anos, um modelo de risco, e face aos resultados, criará estratégias de desenvolvimento do turismo de natureza, “tendo em atenção o seu valor económico dado que os parques vivem, em boa parte, do turismo”.

Serão baseadas em recursos bióticos (plantas e animais, entre outros), abióticos (Geopatrimónio) e turísticos e incluirão programas de sensibilização à conservação ambiental e de resiliência às mudanças climáticas, a aplicar nas áreas dos parques, para comunidades locais e visitantes.

O modelo será, ainda, suportado em ferramentas e tecnologias de informação geográfica, caso, por exemplo, da detecção precoce de fogos.

EQUIPA

Além de Rita Sousa, a equipa engloba os investigadores Luís Aguiar Conraria, Francisco Carballo Cruz, José Cadima Ribeiro, João Cerejeira, António Vieira, António Bento Gonçalves, Maria José Caldeira, Linda Veiga e Ana Melo.