BRAGA -
Braga lança projecto para musealização da área arqueológica das Carvalheiras

A Câmara de Braga analisa a proposta de lançamento do projecto de execução para a musealização da área arqueológica das Carvalheiras, com um custo que ascende a dois milhões e 700 mil euros, em reunião do Executivo Municipal da próxima segunda-feira.

O conjunto arqueológico das Carvalheiras, classificado como Imóvel de Interesse Público, constitui, refere a proposta da maioria PSD/CDS/PPM, “uma das mais originais e maiores áreas com ruínas romanas da cidade, oferecendo um elevado potencial histórico, científico e cultural na promoção de Braga e do país”.

A proposta, recorda Miguel Bandeira, que desde 2018 que o município a Universidade do Minho “têm conjugado esforços para a elaboração deste projecto, que resulta do empenho conjunto de ambas as entidades e permitirá a valorização, musealização e adequação à visita da referida área arqueológica, com criação de um centro interpretativo e de um parque verde na área envolvente para usufruto qualificado do espaço pelos cidadãos e desenvolvimento de actividades culturais e de lazer”.

PUBLICIDADE

O vereador salienta que a cidade “passará a dispor de uma ampla área patrimonial musealizada e aberta ao público, que constituirá um equipamento de grande valor histórico e cultural, verdadeiramente emblemático da origem romana de Braga, capaz de ajudar a reforçar a sua identidade e a diferenciar a oferta cultural” concelhia.

O sítio arqueológico das Carvalheiras é o único quarteirão romano completamente escavado da antiga Bracara Augusta, sendo o seu valor inegável para entender o urbanismo romano da antiga Cidade. 

A Universidade do Minho realizou um exaustivo trabalho de investigação e interpretação dos achados arqueológicos deste local, com coordenação científica de Manuela Martins.

“A intervenção permitirá a sua recuperação integral para utilização como lugar privilegiado de visita do passado romano da cidade, complementando a narrativa e os itinerários com outros lugares da mesma época que hoje já se podem visitar: entre outros, a Fonte do Ídolo, as Termas Romanas ou o Museu Arqueológico D. Diogo de Sousa”, sublinha Bandeira.

O projecto de musealização das Carvalheiras pretende “propiciar uma verdadeira viagem no tempo, através de uma experiência interactiva alicerçada nas media arts, com a entrada num Centro Interpretativo que terá uma dimensão moderna e tecnológica e com um percurso até ao interior deste espaço que constitui um importantíssimo legado romano”.

O prazo previsível de execução da obra é de 18 meses.