ECONOMIA -
Cafés e restaurantes voltam a abrir portas. Com máscara, medidas de segurança e esperança no futuro

Em Amares e Terras de Bouro, o dia amanheceu solarengo e quente. Desde logo, amanheceu também com mais vida do que era costume nos últimos tempos, permitindo encontros e reencontros à volta da mesa do café habitual.

A abertura dos cafés, esta segunda-feira, voltou a permitir que se recuperassem alguns dos maus antigos hábitos, embora com indispensáveis medidas preventivas de segurança e de distanciamento social.

PUBLICIDADE

A realidade agora é outra.

Os funcionários e os clientes usam máscara, há gel desinfectante à disposição, a distância de segurança está indicada no chão e existem até acrílicos de protecção para conferir maior segurança.

«Bom dia! Que tal esse isolamento? Finalmente estamos de volta!», saúda o proprietário de um café da Praça do Comércio, em Ferreiros, Amares, quando um casal, que antes da pandemia era cliente habitual, ali entra pela primeira vez em muitas longas semanas.

Habitualmente local cheio de vida, como o próprio nome indica, a praça está a ser alvo de requalificação, o que também não ajuda ao negócio, como diz Orlando Rodrigues, da Casa d’Chá.

«Adoptámos as medidas necessárias, como a redução da capacidade e o espaçamento das mesas, para podermos voltar à normalidade possível. Temos que recuperar aquilo que perdemos nestes dois meses. Esperamos que as pessoas nos voltem a visitar, mas as obras não ajudam a que isso aconteça», refere.

Se os cafés já abriram portas, no caso dos restaurantes o cenário é algo diferente: A Rival volta ao trabalho no dia 19, a Tasquinha Tomadas e o Tróia no dia 20, enquanto o Milho Rei decidiu apenas abrir a 25 de Maio.

NOVA VIDA EM TERRAS DE BOURO

Também em Terras de Bouro o centro da vila ganhou nova vida, com a abertura de cafés e restaurantes, o que desde logo faz com que haja mais circulação de pessoas e mais agitação nas ruas.

«Reduzimos a capacidade para 50%, o que significa que poderemos ter 60 pessoas no nosso espaço. Adoptámos todas as medidas de segurança para que os clientes saibam que podem estar em segurança, nomeadamente em termos de higienização e de distanciamento», explica Paulo Antunes, o proprietário da Pensão/Restaurante Rio Homem, no centro de Terras de Bouro.

O tempo agora é de esperança no futuro e de procurar voltar a ganhar a confiança dos clientes para fazer face à falta de receitas. «É bom estar de volta», admite Paulo Antunes.