REGIÃO -
Câmara e ARSN abrem inquérito à falha de energia que inutilizou 5 mil vacinas em Famalicão

A Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN) e a Câmara Municipal de Famalicão abriram um inquérito apurar as “devidas responsabilidades” à falha eléctrica no centro de vacinação do concelho que inutilizou 5.000 doses de vacinas contra a covid-19, anunciou esta quarta-feira António Lacerda Sales.

Falando no final da cerimónia de entrega da Bolsa D. Manuel de Mello, no Porto, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde garantiu que as vacinas “serão, obviamente, substituídas” e que “ninguém ficará por vacinar”.

Em conferência de imprensa, o presidente da Câmara, Paulo Cunha, anunciou também a abertura de um inquérito para esclarecer a falha energética que ocorreu esta quarta-feira de madrugada no armazém onde estão as vacinas, instalado num complexo cedido às autoridades de saúde pela autarquia.

PUBLICIDADE

 “Não queremos antecipar os resultados do inquérito que já está em curso, mas estamos colaborantes para participar”, afirmou o autarca, pedindo, contudo, que se acabe com a ideia de que a segurança de nada importa e lembrando que este era um espaço ao qual apenas as autoridades de saúde tinham acesso.

Paulo Cunha explicou que uma falha eléctrica entre as 22h50 desta terça-feira e as 08h00 desta quarta-feira está na origem do acidente.

O autarca reforçou por diversas vezes que este é único local ao qual “a segurança não tem acesso” e que na ausência de qualquer sinal exterior foi impossível perceber que algo não estava a funcionar correctamente.

Paulo Cunha lamentou que os elementos da equipa de segurança que assegura a vigilância exterior do complexo, contratada pelo município a pedido das autoridades sanitárias, não tenham autorização das autoridades de saúde para aceder ao interior do mesmo e à parte onde estão guardadas as vacinas. No seu entender, se os seguranças pudessem aceder a esse espaço esta situação poderia ter sido evitada, sendo que o que aconteceu deve levar à mudança de procedimentos.

Questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de sabotagem, Paulo Cunha escusou-se a usar a palavra, mas admitiu “que algo de muito estranho aconteceu”.

CENTRO JÁ FUNCIONA NORMALMENTE

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde António Lacerda Sales, de visita ao Porto, também já reagiu ao sucedido, garantindo que as vacinas em causa serão substituídas.

Devido à inutilização destas, o centro de vacinação famalicense recebeu vacinas de outros agrupamentos de centro de saúde como, por exemplo, de Braga, adiantou António Lacerda.

O centro abriu as portas às 10h00 e as convocatórias não sofreram alterações e mantém-se para a parte da tarde, informou António Lacerda.

Devido à inutilização destas, o centro de vacinação famalicense recebeu vacinas de outros agrupamentos de centro de saúde, nomeadamente de Braga, adiantou o membro do Governo.

 

Legenda: Centro recebeu vacinas de Braga (Foto Opinião Pública)