AMARES -
Chega Amares demarca-se de José Manuel Faria e acusa-o de «falta de humildade»

A Concelhia do Chega de Amares emitiu um comunicado em que se demarca do seu candidato à Câmara Municipal nas Eleições Autárquicas, José Manuel Faria, a quem acusa de ter demonstrado uma «manifesta falta de humildade».

«José Manuel Faria traçou um conjunto de considerações que levaram a concelhia do Chega em Amares a repudiar a sua conduta por manifesta falta de humildade, contrariando os valores que o Chega defende», refere o partido.

PUBLICIDADE

Em causa estão as declarações do candidato publicadas na edição impressa do jornal “O Amarense”, no rescaldo das Eleições Autárquicas, em que, entre outras considerações, José Manuel Faria disse que a campanha tinha sido «vazia» e que não sentira o «impulso necessário» por falta de «máquina partidária».

No texto, o Chega refere que «a estratégia da campanha foi traçada pelo próprio candidato, não fazendo, por isso, qualquer sentido estas lamentações, até porque, advogando em si um profundo conhecimento político, levou o Chega a acreditar em si e assim deveria ser ele a equacionar todas as probabilidades a fim de contrariar o que refere ser um vazio».

A Concelhia liderada por José Peixoto acrescenta que «o partido aceitou, excepcionalmente e a seu pedido, que os outdoors contivessem apenas a sua imagem e uma referência pouco expressiva do símbolo do Chega, procurando passar a imagem de um candidato independente apoiado pelo Chega, que resultaria melhor, sendo quiçá, um dos únicos outdoors do país sem a imagem do líder André Ventura».

Além disso, o partido considera «grave e uma nítida falta de respeito» o comentário de José Manuel Faria sobre a “falta de exigência do povo e que continua a ser usado e não assume a sua responsabilidade democrática na construção de um novo concelho”.

Para a Concelhia, «o povo é soberano devendo-se respeitar a ideologia de cada um e não passar um atestado de incompetência ou ignorância por não se conseguir um melhor resultado». «O candidato deveria procurar ajustar a sua mensagem, de forma a convencer o eleitorado com convicção e de uma manifesta vontade para a mudança», frisa.

FALTA DE MÁQUINA

No balanço feito após as eleições, Faria lamentou ainda a «falta da máquina partidária que lhe desse o impulso necessário», o que a Concelhia do Chega também não aceita.

«Os militantes do Chega foram uma presença constante na sua campanha e por mais voltas que se dê, os resultados falam por si, podendo-se constatar que a candidata à Assembleia, sem qualquer impulso, na dimensão que lhe foi dado, obteve em todo o concelho, inclusive na terra natal do ex-candidato, uma maior expressividade de votos. Por isso não será com a melhor ou pior pintura que se vende um quadro, mas sim, com a forma como se convence o comprador», afirma.

A terminar o texto, a Concelhia do partido refere que «um bom líder é aquele que distribui os louvores entre os seus seguidores e sabe assumir sozinho os desígnios da derrota, a isto se chama ser humilde, por saber aceitar democraticamente os resultados do escrutínio eleitoral, sem necessidade de procurar no Chega o bode expiatório para as suas fraquezas».