BRAGA

BRAGA -
Comunistas assinalam Dia Mundial da Segurança Social à porta do Centro de Emprego de Braga

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Direcção da Organização Regional de Braga (DORB) do PCP assinalou esta quarta-feira o Dia Mundial da Segurança Social com uma acção de contacto com trabalhadores e utentes no Centro Distrital de Braga da Segurança Social e divulgar as propostas entregues na Assembleia da República e no quadro do debate do Orçamento do Estado para 2022.

A iniciativa pretendeu – além de comemorar o 8 de Maio –  destacar “o imprescindível papel do Sistema Público de Segurança Social, universal e solidário, enquanto conquista de Abril, consagrada na Constituição da República”, uma “conquista que importa defender e aprofundar, também com os trabalhadores da Segurança Social”.

Os comunistas bracarenses alertam para Segurança Social depara-se com um o “quadro de enormes dificuldades” com que a Segurança Social se depara, “já que nos últimos 12 anos, foram destruídos mais de 7 mil dos 15 mil postos de trabalho existentes na Segurança Social, ao mesmo tempo que foram encerrados serviços, concentrados meios, serviços e competências com impactos negativos no seu funcionamento”.

PUBLICIDADE

PROPOSTAS

A valorização dos direitos e das condições de trabalho dos trabalhadores da Segurança Social, garantir a admissão dos recursos necessários, a par do investimento na sua qualificação e formação profissional dos trabalhadores são as “questões centrais” definidas pelo PCP para “a defesa e consolidação do papel do Sistema Público de Segurança Social, como direito de todos os que trabalham no nosso país”.

Os comunistas lembram que entregara na Assembleia da República e no quadro do debate do Orçamento do Estado para 2022, uma proposta de admissão de 1.500 trabalhadores para o Instituto da Segurança Social, com vínculo por tempo indeterminado, sendo que, destes, 200 devem ser afectos ao Centro Nacional de Pensões.

O PCP destaca ainda que, no âmbito do debate do Orçamento, apresentou propostas visando a valorização das pensões e do conjunto das prestações sociais para que estas “contribuam para responder ao quadro excepcional que vivemos, marcado por uma acelerada perda de poder de compra dos salários, das pensões e do conjunto das prestações sociais”. À cabeça está a proposta de actualização extraordinária para todas as pensões correspondente a 5,3% do valor da pensão, não podendo o montante da actualização ser inferior a 20 euros por pensionista.

Pretende igualmente eliminar as penalizações no montante das pensões antecipadas para os trabalhadores que já acederam à reforma nas situações em que à data da sua reforma preenchiam os requisitos previstos nos diplomas legais referentes às muito longas carreiras contributivas.

Apresentou ainda medidas de melhoria das condições de atribuição do subsídio de desemprego e subsídio social de desemprego e valorizando os seus montantes e propostas visando a universalidade do abono de família e a valorização dos seus montantes.

“Para a defesa dos direitos da criança é fundamental dar um sinal claro de apoio aos pais que decidem ter filhos, assegurando designadamente a gratuitidade das creches para todas as crianças em 2023 e a criação de 100 mil vagas em rede pública até 2026”, refere o PCP.

ESCALADA DE PREÇOS

“Os anos de epidemia – acrescenta –  demonstraram que o Sistema Público de Segurança Social é fundamental para responder às necessidades dos trabalhadores e o seu esforço financeiro deve ser compensado. Por isso, consideramos fundamental que seja assegurada a transferência integral de verbas do Orçamento do Estado para retribuir os custos adicionais da Segurança Social com as medidas Covid”.

Em resumo, para os comunistas bracarense, importa valorizar as pensões e as prestações sociais do sistema público, “cumprindo a sua função redistributiva do rendimento nacional”, “é uma questão central, que ganha acrescida importância no actual quadro de escalada de aumentos de preços dos bens e serviços essenciais”, uma “escalada que já “comeu” os “insuficientes aumentos registados nas prestações sociais em Janeiro de 2022”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS