TECNOLOGIA - Duas empresas portuguesas entre as vencedoras do projecto KETmaritime liderado pelo INL

TECNOLOGIA -
Duas empresas portuguesas entre as vencedoras do projecto KETmaritime liderado pelo INL

As empresas portuguesas “Riasearch” e “Undersee” foram duas das quatro vencedoras da ‘Open Call’ projeto KETmaritime – um projecto internacional que agrega sete parceiros privados e públicos de diversas regiões da Zona Atlântica, entre os quais o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia, (INL), com sede em Braga, e que tem como objectivo levar a inovação e a tecnologia às empresas que operam no sector marítimo.

Além das duas PME portuguesas foram também seleccionadas duas empresas espanholas: Galventus e Cardama.

O anúncio das empresas vencedoras decorreu em Southampton, no Reino Unido, no evento OceanBusiness, onde os diversos parceiros do projecto KETmaritime estiveram presentes.

PUBLICIDADE

As quatro empresas vencedoras têm agora a oportunidade de desenvolverem projectos-piloto, com recurso a tecnologias inovadoras, em conjunto com os vários parceiros do projecto.

Recorde-se que o KETmaritime é um projecto liderado pelo INL, e que conta com parceiros de cinco países diferentes da Zona Atlântica: Portugal, Espanha, França, Reino Unido e Irlanda.

No total, o projecto KETmaritime tem perto de 1 milhão de euros disponíveis para ajudar a levar as empresas ligadas à indústria do mar as chamadas Key Enabling Technologies (KET) – que incluem desde a micro e nanoelectrónica, passando pela nanotecnologia, a biotecnologia industrial, os novos materiais, a fotónica e também as tecnologias avançadas de fabrico.

OPORTUNIDADE ÚNICA

Este projecto “é uma oportunidade única para as empresas mais tradicionais do sector marítimo (das áreas de construção naval, reparação e manutenção de navios e portos, navegação e logística, energias renováveis marinhas, petróleo e gás, pesca e aquicultura, biotecnologia marinha, processamento de peixe, entre outras) acederem à tecnologia e poderem criar serviços e produtos inovadores”, refere o INL em comunicado à nossa redacção.