JUSTIÇA -
Julgamento droga. Só um dos arguidos confessou totalmente a sua participação no tráfico

Apenas um dos 16 arguidos que estão a ser julgados no Tribunal de Braga sob a acusação de tráfico de droga, supostamente praticada em Braga, Amares, Terras de Bouro, Vila Verde, Póvoa de Lanhoso, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Famalicão e Porto, assumiu a sua condição de culpado.

Na primeira sessão, realizada à porta fechada no pavilhão desportivo de Maximinos, para garantir a “distância social”, segundo vários juristas presentes, outros dois arguidos assumiram, ainda que parcialmente, que vendiam drogas.

PUBLICIDADE

Os restantes procuraram dar esclarecimentos ao colectivo de juízes, sem assumirem claramente que integravam o grupo de traficantes.

O julgamento prossegue no dia 17 com o início da audição das testemunhas, no caso os militares do NIC (Núcleo de Investigação Criminal) da GNR da Póvoa de Lanhoso, que investigaram o caso.

Conforme “O Amarense”, tem noticiado, sete dos arguidos estavam em prisão preventiva, mas passaram para “domiciliária” com pulseira electrónica, por causa da pandemia.

A acusação diz que vendiam cannabis (resina), heroína, cocaína e MDMA, para consumo ou revenda.

A investigação foi feita pelo NIC da GNR da Póvoa de Lanhoso, que procedeu a dezenas de escutas telefónicas e a vigilâncias, com captação de imagens.

A GNR apreendeu quatro carros, telemóveis, “tablets”, computadores, drogas, dinheiro, munições e artefactos ligados ao tráfico. O MP quer que sejam declarados como perdidos a favor do Estado.