TERRAS DE BOURO -
PAN questiona Câmara sobre apoios à pecuária e pede mudança de hábitos alimentares

A Comissão Política Distrital do PAN de Braga questionou a Câmara de Terras de Bouro sobre o Regulamento Municipal para a Concessão de Apoio Financeiro Destinado ao Fomento da Produção Pecuária.

Tal como “O Amarense” já noticiou, o regulamento prevê apoios ao sector da produção animal no concelho, cobrindo 50% das despesas dos produtores até um limite de 350 mil euros.

PUBLICIDADE

Em comunicado, o partido refere que questionou a Câmara Municipal sobre o orçamento total previsto para o apoio à agro-pecuária e o impacto das perdas de impostos com isenções ao sector, nomeadamente IMI e taxa de derrama.

Quer ainda saber da existência de programas semelhantes para o apoio à produção de frutícolas e hortícolas e se a autarquia tem planos para promover a alimentação saudável e sustentável.

O PAN sublinha que «o sector da agro-pecuária contribui para cerca de 17% das emissões de gases com efeitos de estufa ao nível da União Europeia e o consumo de produtos alimentares de origem animal ocupa a maior fatia da pegada ecológica dos portugueses, cerca de 30%, mais do que os transportes e produção eléctrica».

«Sabemos que, em Portugal, o consumo de carne encontra-se largamente acima das recomendações nutricionais, contribuindo para doenças como a diabetes, cancro, excesso de peso ou doenças cardiovasculares e que por outro lado o consumo de hortícolas, frutícolas e leguminosas está abaixo das recomendações», refere o porta-voz da Distrital, Rafael Pinto.

Por isso, o PAN entende que «os grandes apoios concedidos à agro-pecuária em detrimento dos produtores de frutícolas e hortícolas, que recebem ajudas com valores substancialmente mais reduzidos, são injustos».

«Devemos apoiar a agricultura e os agricultores, mas de forma integrada com o ambiente e saúde. Não nos parece viável continuar a incentivar o consumo e produção destes produtos», conclui.