BRAGA -
Ricardo Rio assume presidência do Eixo Atlântico com captação de investimento e fixação da população na agenda

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, foi eleito, esta sexta-feira, presidente do Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, sucedendo ao alcaide de O Barco de Valdeorras, Alfredo García.

A eleição decorreu durante a Assembleia-Geral da associação transfronteiriça, realizada em Matosinhos. Para este mandato de dois anos, Ricardo Rio é coadjuvado pela alcaidesa de Lugo, Lara Álvarez, que assumiu funções de vice-presidente.

A coesão social, a crise demográfica e a captação de investimento e de talento centram os objectivos de 2020 no âmbito do desenvolvimento da Agenda Urbana do Eixo Atlântico, aprovados nesta Assembleia-Geral, que ficou ainda marcada pela adesão dos municípios de Póvoa de Varzim e Culleredo.

PUBLICIDADE

“Neste mandato pretendemos afirmar o Norte de Portugal e a Galiza como motor de competitividade, de inovação e colaboração institucional. Queremos um território em que os seus cidadãos se tornem motores de crescimento dos respectivos países e que as cidades que compõem esta associação transfronteiriça se tornem também exemplos a seguir”, referiu Ricardo Rio, lembrando que o Eixo Atlântico “é um dos espaços privilegiados de colaboração e de reforço do espírito transfronteiriço”.

Ricardo Rio, assume pela segunda vez a presidência do Eixo Atlântico, uma vez que já tinha desempenhado funções de presidente da Comissão Executiva entre 2015 e 2017. “Com esta eleição, a cidade de Braga consolida-se como referência portuguesa desta euro-região”, sustentou o autarca bracarense.

EIXOS ESTRATÉGICOS

Para este novo mandato, Ricardo Rio aponta como um dos eixos estratégicos, a capacidade de fixar população na euro-região. Para isso, sustentou, “é necessário atrair novos investimentos que gerem emprego e tecido económico-empresarial que atraia talento e permita à população estabelecer-se e fixar-se no território. Queremos alinhar a nossa actuação pelas prioridades da União Europeia e pela Agenda Urbana que potencia e identifica melhores soluções para o desenvolvimento sustentável da euro-região”.

Nesse sentido, será elaborada uma estratégia com soluções concretas para a euro-região a enviar aos governos de Espanha e de Portugal, bem como à Xunta de Galícia. Esta estratégia é sustentada num relatório já efectuado e publicado sobre a situação demográfica da euro-região, tratando-se de “uma radiografia do território e um diagnóstico da situação actual com uma projecção até 2040”.

No âmbito das infra-estruturas, durante este mandato serão realizadas reuniões com os ministros responsáveis das obras públicas de Espanha e Portugal para acompanhamento das obras previstas no segundo pacote de infra-estruturas, entretanto paralisadas pelos processos eleitorais de ambos os países.

Destas intervenções, constam obras ferroviárias como o bypass de Braga da linha do Minho, a saída Sul de Vigo, o corredor do Atlântico no âmbito ferroviário e as ligações viárias entre Ponferrada-O Barco de Valdeorras-Monforte-Ourense, o troço pendente da ligação Lugo-Santiago, ou a melhoria da ligação entre Bragança e Pueblo de Sanabria.

Matosinhos acolheu a XXVIII Assembleia-Geral do Eixo Atlântico que reuniu presidentes dos 35 municípios galegos e portugueses que integram esta associação transfronteiriça. A Assembleia-Geral aprovou, ainda, um orçamento de 3,9 milhões de euros para o presente exercício.