TERRAS DE BOURO - Secretário de Estado do Ambiente vem a Terras de Bouro tratar de água e saneamento

TERRAS DE BOURO -
Secretário de Estado do Ambiente vem a Terras de Bouro tratar de água e saneamento

Redes de água e saneamento. É para tratar destes dois serviços básicos que o Secretário de Estado do Ambiente Carlos Martins vem, dia 13 de dezembro, a Terras de Bouro. O autarca local Manuel Tibo disse ao Amarense que, no que toca ao saneamento, vai solicitar apoio estatal para concluir as redes de esgotos nos vales dos rios Homem e Cávado: ”vamos mostrar, in loco, a realidade ao governante”, disse, referindo que “há ainda esgotos a serem lançados para o rio Cávado e na albufeira da Caniçada, com os consequentes problemas de poluição e cheiros nauseabundos”.

Neste domínio, Terras de Bouro precisa que a Estação de Tratamento de Águas Residuais de Souto seja transferida para outro local e quer que a empresa Águas do Norte construa uma outra que, com os respetivos coletores, sirva as populações de Rio Caldo e de Vilar da Veiga: “temos muitos lugares e ruas no concelho sem saneamento decente”, explicou.

O mesmo sucede no domínio das redes de água que ainda não abrangem a totalidade do território: “temos noção de que o Governo entende que somos um município quase todo integrado no Parque Nacional da Peneda-Gerês” disse, frisando que, tem encontrado grande abertura no Ministério para tratar destes assuntos.

PUBLICIDADE

Sobre o volume de investimento necessário para resolver os problemas nas duas áreas, Manuel Tibo esclareceu que está a ser feito um estudo sobre as necessidades e seu custo, com mapas, e possíveis calendários. Que está pronto antes da visita de Carlos Martins Há dias, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes esteve em Terras de Bouro, tendo-lhe Manuel Tibo pedido apoio para a conclusão da rede de saneamento.

O autarca alertou, ainda, para a necessidade de serem reforçados os sistemas de alerta e de proteção para os visitantes do Gerês que procuram as cascatas e os miradouros.

Na ocasião, solicitou, ainda, que seja aberto um processo de revisão do Plano de Ordenamento da Caniçada, no rio Cávado: “a situação é caótica e perigosa, com excesso de ocupação e de barcos”, disse.

Em resposta, o governante pôs de parte a possibilidade de se vedar o acesso às cascatas do Parque Nacional da Peneda-Gerês, onde têm ocorrido quedas, algumas com consequências graves: “vamos melhorar os avisos sobre os perigos em que as pessoas incorrem mas não faz sentido proibir o acesso”, disse.

Sobre o Plano de Ordenamento, o ministro revelou que, com a nova lei orgânica do Instituto de Conservação das Natureza e das Florestas, os planos vão passar a programas, cabendo às autarquias a gestão de albufeiras e margens ribeirinhas.

Na ocasião, o ministro e o autarca assinaram dois protocolos, que prevêm um investimento de 830 mil euros para requalificar a ligação entre a estrada que vai das Portas do Parque Nacional, pela Mata de Albergaria, até à fronteira da Portela do Homem.