JUSTIÇA

JUSTIÇA -
Tribunal julga os dois alegados autores do assassínio no Fujacal de Carlos Galiano

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal Judicial de Braga marcou para o final de setembro o julgamento de dois homens acusados do homicídio a tiro, em 2021, na zona do bairro do Fujacal, em Braga, de Carlos Galiano, de 25 anos, de Amares.

Luís Miguel Teixeira, conhecido pela alcunha de Max, o autor dos disparos que atingiram o antigo amigo, – com quem cresceu em Amares – e Diogo Miguel Azevedo, de 24 anos, de Braga, que é tido pela acusação como alegado cúmplice do Max no homicídio, ambos em prisão preventiva, vão ser julgados por homicídio qualificado.

O julgamento pode vir a decorrer à porta fechada, dado que um dos advogados de defesa pediu ao coletivo de juízes que decorresse “sem publicidade”, em requerimento a que o Tribunal ainda não respondeu.

PUBLICIDADE

Ao que o O Amarense apurou, o requerimento visa garantir a tranquilidade dos dois arguidos e das testemunhas, tendo em conta que a eventual presença de familiares e amigos, quer da vítimas quer dos dois acusados, poderia gerar situações conflituosas em plena sala de audiências. E coagir as testemunhas…

Conforme o Amarense tem relatado, o «Max» nega ter agido por vingança – tese que consta da acusação – e diz que o co-arguido, o Diogo Miguel Azevedo, é o “autor moral” do crime.

Na contestação que enviou ao processo, o Max, de 24 anos, autor dos dois tiros que vitimaram o Galiano, diz não ser verdade que a vítima o tenha denunciado aquando de um processo-crime julgado em Braga por tráfico de droga em Amares (onde ambos foram arguidos e condenados), desmentindo, assim, a tese do Ministério Público.

INSTIGADO

Diz que pegou na pistola para ir enfrentar o Galiano, no que foi instigado pelo Diogo que tinha acabado de brigar com a vítima, mas que nunca pensou ou premeditou matá-lo.

Na contestação enviada ao processo, o Max atribui a culpa ao Diogo, a quem chama de “autor moral” do crime.  Diz que chorou ao pensar que o Galiano podia falecer e que até rezou para que tal não acontecesse.

DIOGO NEGA

Já o Diogo diz que não o instigou a matá-lo, após ter jantado num restaurante do Fujacal, onde estava o Galiano. Refere que, à saída, os dois discutiram, tendo-lhe o Galiano dado uma cabeçada e não um soco, como diz a acusação.

Conforme então, também noticiamos, o Diogo foi apanhado em junho pela polícia francesa e extraditado para Portugal, onde também está em prisão preventiva. No entanto, pediu já a passagem a prisão domiciliária, o que o Tribunal ainda não decidiu.

Na sua contestação, nega ter ameaçado a vítima, e diz que depois contou o sucedido ao Max, tendo sido este a pegar na pistola por ter decidido matá-lo devido a querelas anteriores, o que aconteceu num snack-bar para onde o Galiano tinha ido. Baleou-o com dois tiros e ele morreu três dias depois.

A acusação diz que o falecido Galiano e o Diogo estiveram a jantar juntos num restaurante da zona, ocasião em que este lhe disse que era um “bufo”.

A discussão prosseguiu no exterior, ocasião em que o Galiano deu um soco no Diogo, tendo este dito que ia a casa buscar uma pistola. A seguir, contou o sucedido ao Max, e ambos combinaram ir procurá-lo para o matarem.

Foram, às 2h00 de 5 de outubro, à sua procura no café que a vítima frequentava, tendo-o avistado e ido a correr ao seu encontro, e parando a dois metros de distância, altura em que o Max lhe desfechou dois tiros. Após o que fugiram

122 MIL DE INDEMNIZAÇÃO

No processo, o pai do Galiano pede, aos dois uma indemnização, 60 mil por danos morais, 20 mil por danos intercalares, 40 mil por danos patrimoniais e dois mil por despesas efetuadas.

Diz que tinha grande amor ao filho, que ainda hoje lhe custa a sua ausência e que, após a sua morte, entrou em depressão.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS