BRAGA -
Associação Comercial de Braga aprova o relatório e contas de 2020 e a alteração da denominação 

O relatório e contas da Associação Comercial de Braga (ACB) de 2020 foi esta quarta-feira aprovado por unanimidade em assembleia geral realizada na sede da instituição. Os associados aprovaram também por unanimidade a alteração da denominação social para AEBraga – Associação Empresarial de Braga.

Domingos Macedo Barbosa, lembrado que 2020 foi “um ano atípico” e de “grandes desafios” para a associação e para as empresas impostos pelas “fortes restrições”, o presidente da direcção da ACB alerta para as “implicações económicas, sociais e culturais muito profundas e cujo âmbito de incidência e impacto não é totalmente conhecido”. 

O dirigente da ACB sublinha que apesar dos constrangimentos sentidos ao longo do ano, “foram alcançados resultados semelhantes aos registados em anos anteriores, mantendo-se a trajectória de alcance de indicadores de gestão equilibrados e sustentáveis”.

PUBLICIDADE

No documento aprovado pelos associados da ACB é dado especial destaque à aquisição do edifício sede da ACB no início de 2020, revelando-se esta operação como “um marco histórico e de grande simbolismo para a ACB e sua comunidade”.

Na assembleia foi ainda aprovada, por unanimidade, a proposta da direcção de alteração da denominação social de Associação Comercial de Braga – Comércio, Turismo e Serviços para AEBraga – Associação Empresarial Braga, conforme tinha sido publicamente anunciado no início de Março.

 “A nova designação ilustra bem o propósito da ACB de passar a ser uma associação mais agregadora e inclusiva, que não discrimina ninguém, nem nenhum sector empresarial, assumindo a missão de ser a voz de todos os empresários e empreendedores, independentemente da sua dimensão ou área de negócio”, afirmou Domingos Macedo Barbosa na assembleia. 

“O grande desígnio que nos move é, por isso, a união de esforços de todos os empresários da região, promovendo, deste modo, uma estrutura associativa forte, influente e abrangente na defesa dos interesses dos seus associados e do futuro da região e do país”, referiu.

O presidente da mesa da assembleia geral salientou também “a importância estratégica” da deliberação na vida da associação: O dia em que, orgulhosa do seu passado, com os pés assentes no presente e norteada para as exigências do futuro, a associação assume uma nova ambição e uma nova designação”. 

Pedro Fraga, convergindo no compromisso de se “reorientar a estrutura e actividade da associação para responder a novos desafios e projectos”, expressou “a firme convicção de que será um processo bem-sucedido, aportando valor para as empresas e região”.