REGIÃO – Associações fazem “revolução” no caminho Braga-Santiago

REGIÃO –
Associações fazem “revolução” no caminho Braga-Santiago

Um professor catedrático de história da arte espanhol comparou o trabalho desenvolvido pelas associações envolvidas na valorização do Caminho da Geira Minhoto Ribeiro (ou dos Arrieiros) “à revolução” provocada pelo padre do Cebreiro que começou a pintar os trajectos jacobeus com setas amarelas na década de 1980.

“Estamos a falar de uma revolução que estão a pôr em marcha”, disse Xavier Limia de Gardón durante a conferência “Berán no Caminho”, que decorreu nesta freguesia do município de Leiro, em Espanha.

PUBLICIDADE

Na perspectiva do professor especialista em história da arte, o trajecto que liga Braga a Santiago de Compostela na distância de 240 quilómetros “é de recuperar porque se baseia em caminhos directos e indirectos muito antigos e possui de maravilhoso o maior conjunto romano do mundo cheio de miliários, que o norte de Portugal e a Galiza devem reivindicar como um lugar patrimonial a nível da UNESCO”.

Quanto à passagem de peregrinos, procurou sensibilizar a audiência para a necessidade dos acolher sem receio: “Não são uns arruaceiros ou uns ladrões, são gente de cultura, que movimenta muito dinheiro, podem ser médicos ou advogados. São como pioneiros, gente que tem tempo e ter tempo é ser rico, ter tempo para fazer o caminho e descobrir-se”.

O director da revista espanhola “Vinos y Caminos”, Antón Alonso, referiu que “ter pessoas a passar à porta é uma oportunidade de negócio fabulosa, porque é complicado ir buscar os clientes, mas “é preciso valorizar o património e facilitar o acesso aos recursos, porque há pessoas que querem vir, que pagam para os conhecer”.

“O impacto económico de cada peregrino é equivalente ao de dois ou três turistas”, salientou Antón Alonso, explicando que não resulta apenas da sua passagem, mas de voltar com a família e os seus amigos, e da divulgação que fazem pelo mundo. Estatisticamente, cada peregrino gasta em média 45 euros por dia.

“O nosso petróleo é este, temos que o valorizar. Temos de aproveitar esta oportunidade: a de ter um cliente que passa por diante da nossa casa, o que constitui uma oportunidade única”, adiantou o director da “Vinos y Caminos”.

Esta ideia também foi defendida pelo presidente da Associação Jacobeia do Caminho da Geira Minhoto Ribeiro (ACJMR), Abdón Fernández, segundo o qual “o importante agora é começar a prestar serviços, a estar atento e tomar consciência da existência deste caminho”. “Portanto, vamos assegurar-nos que os peregrinos nos passam à porta, porque a repercussão não vai ser só em Berán, mas também nas povoações à volta”, frisou.

Ainda no decurso da conferência, o secretário da ACJMR, Darío Rodriguez, descreveu o traçado do Caminho da Geira Minhoto Ribeiro, destacando a existência de oito igrejas de Santiago, quatro das quais na área do Ribeiro; sete hospitais para peregrinos e seis estâncias termais, assim como de outros elementos documentados que provam a existência histórica deste caminho.

A iniciativa, organizada pela Entidade Local de Berán, com a colaboração da ACJMR, da associação Plan B e da Deputacion Provincial de Ourense, estendeu-se por dois dias, o segundo dos quais, domingo, 12, foi dedicado a uma caminhada num troço do caminho que passa por Berán, que envolveu 70 pessoas, e a espectáculos.

O objectivo das diferentes organizações que investigam a história, património, traçado e outros recursos necessários à validação deste caminho [ainda não possui albergues, nem está marcado, pelo que deve usar-se GPS] é a oficialização do itinerário até ao Ano Santo Jacobeu de 2021.