TERRAS DE BOUROCâmara não dá mais dinheiro para estrada da Mata da Albergaria

TERRAS DE BOURO
Câmara não dá mais dinheiro para estrada da Mata da Albergaria

O Presidente da Câmara de Terras de Bouro garantiu na Assembleia Municipal de hoje que não dará mais dinheiro para «remendar» a estrada da Mata da Albergaria enquanto «não houver uma decisão definitiva sobre o que o ICNF quer fazer dos 430 mil euros que estão alocados a um projecto para aquela zona». Manuel Tibo respondia a uma pergunta do Presidente da Junta de Campo do Gerês, Carlos Costa, que questionou o autarca se iria manter os nove mil euros mais funcionário por ano que o executivo anterior atribuía para se reparar a estrada. «Este é um assunto que andam a empurrar há anos e nós não gastamos mais dinheiro porque os buracos irão-se manter», respondeu o autarca.

Manuel Tibo usou mesmo uma imagem “caricata” para justificar a sua opção. «Convidei a Senhora Secretária de Estado para visitar o nosso Concelho e iremos levá-la à Mata da Albergaria. No actual estado da via vai andar aos trambolhões e a bater com a cabeça no tecto do carro. Assim irá perceber que é preciso um projecto para ali. Se pomos aquilo apresentável já estou a ver a reacção dela a dizer que afinal a estrada não está assim tão má».

Antes o autarca lembrou que «a Mata da Albergaria é uma estrada florestal da responsabilidade do ICNF. Dantes eram colocados na portagem jovens do Concelho mas decidiram-se depois por uma empresa de segurança. Continuam a cobrar taxas mas esse dinheiro não é para o Concelho». Manuel Tibo lembrou que «há 430 mil euros para aquela área mas nunca houve, e repito, nunca houve um qualquer projecto que resolvesse o problema».

PUBLICIDADE

O Presidente da Câmara revelou que «em conversas com os responsáveis do ICNF ficou decidido, juntamente com os arquitectos do Município, já esta semana, começar-se a esboçar, no terreno, o que é possível lá fazer». Ideias não faltam a começar pela criação de umas bolsas de estacionamento no início da guarda. O próprio piso a colocar ainda não está fechado. Já no final da sua intervenção, Manuel Tibo, deixou o ar a possibilidade de fazer intervenções naquele local mas «só com garantias escritas que pagam o que gastarmos».

Da Assembleia foi aprovada por unanimidade a prestação de contas referente a 2017, a não adesão à Associação Nacional das Assembleias Municipais (com um voto contra de um deputado do PS) e um novo regulamento do funcionamento da Assembleia Municipal. Um voto de pesar pelo falecimento de um ex-funcionário municipal foi incluído, à última hora, e aprovado por todas as bancadas.

Mais desenvolvimentos na edição de Maio do Jornal O Amarense