VINHOS

VINHOS -
Comissão Europeia aprova mobilização de 15 milhões de euros para resolver crise de excedente de vinho em Portugal

Share on facebook
Share on twitter
Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Comissão Europeia anuncia a mobilização de 15 milhões de euros da reserva agrícola para apoiar produtores de vinho portugueses que enfrentam graves perturbações do mercado.

O ministério da agricultura e pescas, liderado pelo minhoto José Manuel Fernandes, diz que «responde a uma necessidade urgente identificada pelo Governo nos primeiros meses de governação».

Este apoio à destilação de vinho, uma medida de crise, temporária e excecional, que não será repetida no futuro, vai ser pago aos beneficiários em Portugal até 30 de abril de 2025, anuncia o governo.

«A atribuição deste apoio a nível nacional vai obedecer a rigorosos critérios e regras de elegibilidade, e de controlo», assegura o ministério da tutela. «Produtores que tenham importado vinho nos últimos três anos não são elegíveis para receber apoios à destilação», informa ainda a tutela.

Para além desta solução conjuntural, o Governo está a trabalhar em medidas estruturantes que contribuam para o equilíbrio do setor.  O Ministro da Agricultura e Pescas, José Manuel Fernandes, tem defendido o «reforço dos montantes destinados à promoção, a remoção de barreiras alfandegárias em países terceiros para facilitar a exportação dos nossos vinhos e medidas que promovam a melhoria do rendimento dos produtores».

O governante assegura que «o apoio apresentado esta terça-feira pela Comissão vai ajudar a minorar um grave problema de acumulação de stock que foi completamente ignorado pelo governo anterior».

Portugal deverá comunicar à Comissão, até 31 de agosto, as regras para a execução da medida, nomeadamente as quantidades de vinho que se prevê retirar do mercado em cada região, as condições de elegibilidade e valor de apoio.

OUTRAS MEDIDAS

O Ministério da Agricultura e Pescas tem vindo a tomar medidas no setor para resolver um problema grave herdado da anterior governação que permitiu uma situação de um excedente de stock de vinho sem precedentes.

Algumas medidas incluíram a proibição da entrada a granel, na região demarcada do Douro, de uvas, mostos, vinhos e outros produtos vínicos não abrangidos pelo estatuto de Denominação de Origem Protegida ou Indicação Geográfica Protegida por parte do Instituto de Vinho do Porto (IVDP) em maio de 2024.

[email protected]

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS