Protocolo para a cedência de terrenos assinado no próximo mês - Construção de acesso à Bracicla arranca em Janeiro

Protocolo para a cedência de terrenos assinado no próximo mês -
Construção de acesso à Bracicla arranca em Janeiro

A Câmara de Amares já chegou a acordo com os proprietários dos terrenos para a construção de um acesso à Bracicla, situada no parque industrial de Monte Rabadas. Segundo revelou o Presidente da Câmara de Amares, «o acordo está fechado com o Campos e Silva e com mais dois proprietários que irão ceder um pouco de terreno para a construção do acesso». Manuel Moreira revelou que «o protocolo com todas as partes deverá ser assinado em Dezembro e esperemos começar a obra no primeiro trimestre do próximo ano».

O autarca revelou, ainda, ao Jornal O Amarense os termos do acordo: «a Câmara fica responsável por abrir toda a rua; construir, no lado direito, um muro de bloco e faremos um arruamento na parte de cima do parque para dar acesso aos terrenos lá existentes». Manuel Moreira acrescentou ainda que «iremos assinar o protocolo durante o mês de Dezembro e esperamos começar a obra em Janeiro ou tê-la terminada no primeiro trimestre de 2019». O Presidente da Câmara espera que «este seja o fim de um longo processo e que tudo chegue a bom porto que é o que se pretende».

Ampliação das instalações

PUBLICIDADE

Assunto que deve ficar resolvido, este mês, é o pedido de ampliação de instalações formulado pela empresa, «indo ao encontro do compromisso assumido com executivo municipal aquando da visita efectuada à Bracicla», e que passa pela construção de um pavilhão para acomodar os resíduos que,nesta altura, estão a céu aberto. O primeiro pedido foi retirado da ordem de trabalhos e nunca mais voltou à discussão. «Julgo que na próxima reunião iremos votar esse pedido», revelou o Presidente da Câmara.

Este é um processo que também deverá estar resolvido no primeiro trimestre do próximo ano. «Com o acesso construído e com a ampliação concretizada, espero que a Bracicla possa trabalhar em paz e que este assunto fique, finalmente, concluído», desejou Manuel Moreira.