EMPREENDEDORISMO -
Docente do Politécnico de Viana do Castelo ensina empreendedores a criarem o próprio negócio

O docente da Escola Superior de Ciências Empresariais (ESCE) do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), João Paulo Vieito, acaba de lançar um livro com o objectivo de «apoiar os alunos do ensino superior, e não só, a implementarem o próprio negócio». Em “Análise de Projectos de Investimento”, João Paulo Vieito lançou o desafio: «Arrisquem», deixando, contudo, o aviso: «Não se lancem no negócio só porque acham que têm uma grande ideia, mas criem uma estrutura de custos e receitas para cinco anos».

Depois de publicar as obras “Finanças Empresariais” e “Executivos – Como são (Re) compensados”, o professor responsável da cadeira de Análise de Projecto de Investimento aposta agora num manual para pessoas que queiram ser empreendedoras e criar o próprio negócio. 

«A ESCE recebeu um prémio de Empreendedorismo no âmbito da Metodologia de Ensino que pratica, por isso, todos os nossos alunos têm que fazer um plano de negócios. Neste mundo digital em que as pessoas começaram a arriscar e a criar o próprio negócio, este manual ajuda a projectar o negócio de início ao fim, onde cada capítulo foi pensado para os alunos serem autodidatas e criarem o plano de negócios», justificou o docente.

PUBLICIDADE

LIVRO

A obra está dividida em dois grandes grupos de temáticas. Numa primeira parte, o manual descreve as metodologias mais usuais para se gerar ideias inovadores e numa segunda parte ensina a construir um plano de negócios. Os capítulos são enriquecidos com exercícios práticos resolvidos para que o leitor adquira as competências necessárias que lhes permitam, no futuro e de forma autónoma, implementar na prática as matérias expostas e criar o seu próprio plano de negócios. 

«O ensino superior sempre formou gente para trabalhar para os outros, eu próprio fui formado para trabalhar para outros e no ensino superior nunca ninguém nos ensinou a criar o próprio negócio. Basicamente, este livro é um alento para os alunos terem essa auto-estima e perceberem que são capazes e conseguem criar o próprio negócio», assegurou.

Mas para se ser bem-sucedido nos negócios não chega ter uma ideia inovadora. É necessário, também, «criar um plano de negócios o mais real possível, quantificar com exatidão todos os custos e estimar, na medida do possível, as receitas que esse negócio poderá vir a ter nos próximos cinco anos, pelo menos. 

«É preciso transformar uma grande ideia em algo financeiramente executável», alertou João Paulo Vieito. Neste mundo global, continua o docente, «existem inúmeras oportunidades para trabalhar para todo o mundo». 

João Paulo Vieito sublinhou que hoje não é preciso ter uma loja física nem abrir uma fábrica. «Basicamente com um portal bem-criado e uma ideia inovadora pode-se trabalhar para o mundo todo», desafiou.

O livro já se encontra à venda na loja on-line da Escolar Editora e nas principais livrarias do país.