PAÍS -
Gaivotas e escorregas já são permitidos nas praias mas com sob condições 

O Governo determinou que a disponibilização de equipamentos de uso colectivo nas praias, como gaivotas ou chuveiros interiores, “pode ser permitida, em determinadas condições”, nomeadamente se for feita por empresas de animação turística.

“Considera-se poder ser permitida, em determinadas condições, a disponibilização de equipamentos passíveis de uso colectivo”, indica o Governo, num diploma publicado esta sexta-feira em Diário da República, que altera algumas medidas excepcionais e temporárias relativas à pandemia da covid-19.

Em 25 de Maio, o executivo tinha decretado a interdição de disponibilização de quaisquer equipamentos de uso colectivo, como “gaivotas, escorregas, chuveiros interiores de corpo ou pés e outras estruturas similares”, o que se mantém, mas com uma excepção.

PUBLICIDADE

Segundo o documento, foi necessário “encontrar um equilíbrio entre as actividades lúdicas praticadas nas praias, designadamente com recurso a equipamentos disponibilizados por terceiros, nomeadamente empresas de animação turística”.

Desta forma, este tipo de empresas pode passar a disponibilizar equipamentos de uso colectivo ou de utilização de mais de duas pessoas em simultâneo, desde que respeitando algumas condições.

A primeira é a “não ocupação da área útil da zona destinada ao uso balnear”, seja para efeitos de armazenamento permanente ou temporário dos equipamentos, ou mesmo para o exercício da actividade relacionada com a disponibilização dos equipamentos.

Além disso, os responsáveis pelo aluguer dos materiais devem controlar e garantir que “os mesmos apenas são utilizados por aqueles a quem foram disponibilizados e que não são utilizados por mais do que uma pessoa, a menos que estejam em causa utentes que compõem um mesmo grupo”.

Ainda assim, as empresas devem ter em conta o “respeito pela lotação máxima do respectivo equipamento”.

Já os materiais têm de ser limpos e desinfectados no decorrer do dia e sempre que se registe a mudança de utente, tal como já acontece com outros equipamentos balneares, como chuveiros exteriores, espreguiçadeiras ou colchões.