OPINIÃO - Tonito, António e Variações – géneses de um horizonte

OPINIÃO -
Tonito, António e Variações – géneses de um horizonte

Texto de Fabíola Lopes

 

Tonito caminhava entre verdes e miragens

PUBLICIDADE

todos os dias numa conquista diferente.

A professora exigia verbos, contas e História

e o rapaz enredava-se em paisagens.

 

Nessa dança de intenções

nada ficava por fazer.

Tonito cumpria as obrigações

com distinção e alto prazer.

 

Sério, tímido e inseguro,

com sedes por acontecer,

o seu olhar era puro,

com mãe Deolinda a acolher.

 

Mãe-terra, mãe-ninho, mãe-colo,

a saúde dos filhos fez prevalecer.

Sacrifícios enchem os rosários,

não foram tantos os que ficaram por ocorrer.

 

Ansias de estradas, de cores e horizontes,

recheadas pelas partilhas dos irmãos distantes.

Entre Fiscal e Lisboa foram muitas as pontes

que alimentaram sonhos radiantes.

 

Ainda experimentou trabalhos

forçados contra o desejo

crescente e sem atalhos

de respirar à beira Tejo.

 

Aos 11 anos, de mala aviada,

vai Tonito de alma alada.

 

A pequena aldeia que o viu florescer

acena-lhe a miragem de adolescer.

 

De trabalho em trabalho, cresce a confiança, a andança e a vontade.

Homem limpo, disciplinado e honesto, que ao povo encanta na sua jornada

unária.

Procura saciar a sede

de diferente, de maior, de música.

Sempre música num António que

vai de Londres a Amesterdão

para vir para Lisboa e abrir um salão.

É o barbeiro que todos querem e que passa pelas melhores casas

até abrir a sua, única e esplendorosa,

a que cria como quer, numa afirmação de saber e vontade,

gosto e caridade.

 

Nesta jornada tão esfaimada,

de cores, de seres, de amores e música,

as melodias pulsam desejos, rufam tambores, perfeições a amanhecer.

Convívios, partilhas e crescimentos,

aprendizagens vertiginosas num sopro de vida,

uma firmeza esbaforida, uma sede por acalmar,

o tempo que escorre as existências, numa luta desigual.

Variações a variar, a criar, a inovar:

Minho, Rock e Fado, com o folclore a festejar

esta voz sem quadratura,

este ser sem formatura.

Livre como a água, o vento, o raio e o trovão.

Livre como se quer a vida vivida

antes, muito antes, de se conseguir compreender

o turbilhão que nos deixou marcas de identidade,

de portugalidade,

de uma interioridade que carregamos sem quê nem porquê.

 

Variações, aqui, entre nós e o tempo.