REGIÃO

REGIÃO -
Uma centena de empresários exigiu «fim da teia burocrática» e «celeridade na capitalização das empresas»

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

«Há pouca informação e excesso de burocracia que continuam a provocar processos longos e desgastantes que não favorecem o ritmo do mundo empresarial». Foi assim que o Presidente do Conselho de Administração da Associação Empresarial do Vale do Homem (AEVH), José Manuel Lopes, lançou a Conferência “Economia – Portugal 2030”, que decorreu na noite desta quinta-feira em Vila Verde, na presença de cerca de uma centena de empresários dos Concelhos de Amares, Terras de Bouro e Vila Verde. A sessão teve como oradores o gestor da Unidade de Gestão dos Fundos Europeus e Secretário-Executivo da CIM-Cávado, Rafael Amorim, e Daniela Coelho, Técnica Superior no Centro de Apoio Empresarial do Norte do IAPMEI, assim como o eurodeputado José Manuel Fernandes.

Tendo por base a obtenção de mais informação referente a projectos e acesso a fundos do Portugal 2030 e PRR, que permitam «alavancar e/ou muscular o tecido empresarial da Região», o presidente da associação – que representa mais de meio milhar de empresas do Vale do Homem – expressou a preocupação face «ao tempo de incertezas que se atravessa (receios e medos dos empresários no pós-pandemia COVID-19 e impacto económico decorrente da Guerra na Ucrânia)». Na óptica de José Manuel Lopes, «não há dúvidas de que o Norte e a Região, particularmente este território, têm um tecido empresarial dinâmico e resiliente, mas não pode continuar entregue à sua sorte. Quem cria riqueza deve contar com um Estado atento e ágil, sobretudo nestes momentos de grande incerteza».

Sobre o tema, o líder da AEVH acentuou: «a “teia burocrática” de “regras e regrinhas” que está a atrasar, por exemplo, a execução do Plano de Recuperação e Resiliência. Os problemas adensam-se particularmente ao nível dos fundos destinados à capitalização empresarial».

PUBLICIDADE

E deu o mote: «hoje temos um encontro para tentar enquadrar estes e outros problemas, dar contributos para que haja agilização, e perceber que oportunidades existem e que meios estão disponíveis a curto, médio e longo prazo».

«DINHEIRO NÃO FALTA, MAS OS ATRASOS COMPROMETEM»

Assinalando que o Portugal 2020 ainda não está encerrado (ainda faltam executar 5,5 milhões de euros); que o 2030 (23 mil milhões para executar no novo quadro) «já devia estar a ser executado (mas ainda está na fase de operacionalização)»; e que o PRR (1,16 milhões de euros par executar até 2026) «está à espera de simplificação da gestão e alinhamento dos objectivos das entidades e pessoas responsáreis pelo programa em Portugal», o eurodeputado José Manuel Fernandes foi claro: «A boa notícia é que não falta dinheiro, mas o problema é que o calendário aperta e as regras não são claras, a burocracia é mais que muita e, pior ainda, os atrasos comprometem o presente e o futuro».

Na sequência da apresentação técnica por parte dos oradores da CIM-Cávado e do IAPMEI assente nos projectos em curso, outros em aberto e alguns com regras e alcance ainda por definir (Portugal 2030 e PRR), o eurodeputado vilaverdense assinalou, ainda, que «esta é uma fase de intervir na capitalização imediata e urgente das empresas, quiçá com garantias europeias, através do Banco de Fomento. Mas assistimos ao inverso de tudo isto. Então para que serve o Bando de Fomento?».

REDE VIÁRIA, PARQUES EMPRESARIAIS E APOIO À FIXAÇÃO DE EMPRESAS

Presente na cerimónia, a presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, Júlia Fernandes, focou a sua intervenção na importância de melhorar a rede viária «estruturante» no concelho, «permanentemente adiada pelo Governo».

«A Variante à EN-101 é urgente há já muito tempo, mas não sai do papel», destacou a autarca.

Focou, contudo, a importância de «avançar com o nó de ligação ao parque empresarial de Oleiros», entre a Vila de Prado e aquele centro empresarial. E adiantou avanços na concretização do “Eixo Periférico Soutelo-Gême”, que poderia «aliviar a pressão na EN 101, enquanto não se concretiza a tão «propalada e adiada Variante».

Júlia Fernandes aproveitou também para «reforçar a necessidade de uma boa articulação» entre o tecido empresarial, por intermédio da AEVH, e o Município de Vila Verde.

«Antes de avançar com um investimento falem connosco, pois existem espaços para  a instalação, isenções (derrama, IMT e outras) e apoio técnico (Gabinete do Empreendedor)», referiu.

E concluiu: «É em articulação estreita e directa que podemos dar mais um passo em frente».

CONFERÊNCIAS

Esta foi a primeira do ciclo de três Conferências “Economia – Pensar o Futuro” que a Associação Empresarial do Vale do Homem-AEVH promove de Novembro de 2022 a Março de 2023, dirigido ao tecido empresarial local/regional, com o intuito de «promover informação e esclarecimentos sobre oportunidades e orientações futuras em relação ao Portugal 2030, nos domínios da Economia em geral, Economia Social e Turismo».

A próxima iniciativa vai decorrer em Amares, sobre o tema genérico “Economia Social”, estando agendada uma outra para Março, sobre “Turismo”, no Gerês, Terras de Bouro.

Em formato informal – jantar-debate – as Conferências estão abertas aos empresários e organismos públicos e privados que pretendam acolher informação relevante sobre um conjunto de orientações relativas à implementação do “Programa Portugal 2030” e outras matérias de desenvolvimento económico.

«Vivemos uma fase importante quanto ao futuro da economia nacional, assente numa lógica de crescimento harmonioso do território, pelo que os empresários devem – cada vez mais – estar atentos à realidade e oportunidades decorrentes do investimento público (Portugal 2030, PRR e outros) e às orientações gerais que daí advêm», assinala o Presidente do Conselho de Administração da AEVH, José Manuel Lopes. Este destaca que «um empresário com visão de futuro deve estar informado, atualizado e preparado para crescer de forma sustentada».

Neste contexto, vinca que estas Conferências – que reunirão alguns dos mais conceituados oradores /decisores nas áreas em apreço – são uma «importante ferramenta para informar, formar e orientar. Para além do seu interesse intrínseco, vão permitir abrir um conjunto de oportunidades que, por si, são desafiadoras quanto ao futuro».

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS
PUBLICIDADE