OPINIÃO - Violência no namoro! Prova de Amor? Não, Prova de desamor!

OPINIÃO -
Violência no namoro! Prova de Amor? Não, Prova de desamor!

Artigo de Alice Magalhães

 

“A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota.”

PUBLICIDADE

Jean-Paul Sartre

O estudo nacional sobre a Violência no Namoro 2019, que a União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) tem vindo a realizar nos últimos anos, refere dados preocupantes:

-o número de jovens, que namoram ou já namoraram, e diz ter sofrido pelo menos uma forma de violência por parte do companheiro ou ex-companheiro é de 58% (valor superior ao estudo de 2018, 56%), e

-a quantidade de jovens que entendem as práticas violentas como naturais são 67% no inquérito deste ano, quando no ano passado eram 68,5%.

A violência no namoro, enquanto forma de violência no contexto da intimidade, não difere substantivamente daquela que pode acontecer no decurso das relações conjugais, e como tal, é punida enquanto crime de violência doméstica (artigo 152.º do Código Penal).

A Violência Doméstica representa uma grave violação dos direitos humanos. A Organização Mundial de Saúde (OMS/ 2005), encara a Violência Doméstica como um problema de saúde pública, pelas consequências graves, imediatas ou não, que origina ao longo da vida. Portugal, a partir de 2000, considera a Violência Doméstica um crime público (Lei 7/2000).  No entanto, Já Agudelo (1990), afirma que embora a violência não seja um problema específico da área da saúde, afeta a saúde, pois “representa um risco maior para a realização do processo vital humano: ameaça a vida, altera a saúde, produz enfermidade e provoca a morte como realidade ou como possibilidade próxima”.

COMO SE PODEM MANIFESTAR AS FORMAS DE VIOLÊNCIA NO NAMORO?

Violência Física. Por exemplo, quando o/a teu/tua namorado/a te empurra, te agarra ou prende, te atira objetos, te dá bofetadas, pontapés e/ou murros, ameaça usar a força física ou a agressão.

Violência Sexual. Quando o/a teu/tua namorado/a te obriga a praticar atos sexuais (sexo anal, sexo oral e/ou vaginal), mesmo quando não queres, te acaricia (ou força carícias), sem que queiras, entre outras.

Violência verbal. Por exemplo, quando o/a teu/tua namorado/a te chama nomes e/ou grita,

te humilha, através de críticas e comentários negativos (ex.: “Não vales nada.”), te intimida e ameaça.

Violência psicológica. Quando o/a teu/tua namorado/a parte ou estraga os teus objetos ou roupa, controla a tua maneira de vestir, controla o que fazes nos tempos livres e ao longo do dia, te liga constantemente ou envia mensagens, ameaça terminar a relação como estratégia de manipulação, por exemplo.

Violência Social. Quando o/a teu/tua namorado/a, te humilha, envergonha ou tenta denegrir a tua imagem em público, especialmente junto dos teus familiares e amigos, mexe, sem o teu consentimento, no teu telemóvel, nas tuas contas de correio eletrónico ou na tua conta do Facebook, te proíbe de conviver com os teus amigos e/ou com a tua família, entre outras.