REGIÃO -
Bloco questiona Governo sobre despedimento colectivo e dívidas na Castimoda

O Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre o encerramento da empresa Castimoda, em Fafe, na sequência do despedimento colectivo das 30 trabalhadoras enquanto estas se encontravam em casa devido à pandemia do novo coronavírus.
No documento entregue na Assembleia da República, os deputados eleitos pelo circulo de Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, referem que, a 20 de Março, “a empresa comunicou às trabalhadoras o encerramento temporário das instalações, no entanto, no início de Abril, as trabalhadoras começaram a receber cartas de despedimentos”.

Os deputados bloquistas afirmam que a Castimoda “não regularizou” os pagamentos devidos às funcionárias, estando em dívida “o salário do mês de Março de 2020 e o subsídio de Natal de 2019” e que a empresa “não efectuou os pagamentos à Segurança Social e às Finanças desde o início do ano”.

O documento salienta que “as trabalhadoras concentraram-se à porta da empresa para impedir que o património da empresa fosse alienado, de forma a garantir recursos para pagamento das dívidas existentes, por terem sido alertadas de que estariam a ser retiradas as máquinas e equipamentos das instalações”.

PUBLICIDADE

“Esta situação está a gerar enorme apreensão entre as trabalhadoras, que se queixam da empresa ter aproveitado a suspensão da actividade por causa da crise pandémica para retirar o equipamento do interior do edifício e, de seguida, avançar com o despedimento colectivo sem garantir o pagamentos dos seus salários”, acrescentam os deputados no documento.

“O Bloco de Esquerda considera necessária e urgente a intervenção do Governo e da Autoridade para as Condições do Trabalho, de forma a exigir o cumprimento dos direitos das trabalhadoras, o pagamento dos salários em atraso e a manutenção dos postos de trabalho”, concluem.