BARCELOS -

BARCELOS - -
Câmara de Barcelos manda ‘galos’ ao Governo e AR para alertar para necessidade de novo hospital

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Câmara de Barcelos ofereceu galos em cerâmica a vários políticos, para os sensibilizar para a necessidade de incluir a construção de um novo hospital na cidade no Orçamento do Estado (OE) para 2019, anunciou esta terça-feira o município.

Ícones do artesanato de Barcelos e símbolos de Portugal, os galos em cerâmica acompanharam uma carta que o presidente da Câmara, Miguel Costa Gomes (PS), enviou para o presidente da Assembleia da República, primeiro-ministro, ministros das Finanças, da Saúde e do Planeamento e das Infraestruturas, líderes dos grupos parlamentares e todos os deputados pertencentes à Comissão de Saúde.

Na base dos galos lê-se: “Pela construção do novo hospital – Barcelos”.

PUBLICIDADE

“O objectivo passa por chamar a atenção para a necessidade da realização desta importante obra que iria servir 153 mil utentes da sua área de influência, correspondente aos concelhos de Barcelos e Esposende”, refere um comunicado do município.

A carta sublinha a aprovação na Assembleia da República, em 12 de Julho de 2018, de quatro projectos de resolução que pugnavam pela construção de um novo hospital público em Barcelos.

Com esses projectos de resolução, acrescenta o município, “todos os grupos parlamentares com assento na Assembleia da República reconhecem que seria fundamental a inclusão, no Orçamento do Estado para 2019, de um modelo de financiamento conducente à construção do novo Hospital em Barcelos”. Essa inclusão “permitiria à Câmara Municipal avançar com a aquisição do terreno”.

HOSPITAL ANTIQUADO

Na carta, a Câmara lembra ainda o “acordo estratégico para o lançamento de um novo hospital em Barcelos” assinado com o Ministério da Saúde em 2009.

Lembrando que o actual edifício, propriedade da Santa Casa da Misericórdia, “apresenta uma estrutura física antiquada, funcionalmente desequilibrada e desarticulada, estando longe de dispor das condições apropriadas para prestar cuidados de saúde de acordo com os melhores padrões de qualidade e segurança do Serviço Nacional de Saúde”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS