REGIÃO -
Esposende assinala Dia Internacional dos Museus

O Museu Municipal de Esposende vai assinalar o Dia Internacional dos Museus, comemorado esta segunda-feria, dia 18 de Maio, com iniciativas que pretendem divulgar a exposição patente e envolver a comunidade local no conhecimento daquela unidade museológica. A abertura do Museu Municipal está prevista para 1 de Junho, devido às restrições decorrentes da pandemia do novo coronavírus.

O Museu Municipal de Esposende associa-se à comemoração do Dia Internacional dos Museus, criado pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), em 1977, e que este ano tem como tema “Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão”.

Para assinalar esta data, simbólica da resiliência e da capacidade humana de superar e adaptar­-se, o Museu Municipal de Esposende apresenta uma visita à exposição patente na Sala dos Azulejos, intitulada “Arte na Rua”, num registo que recorda o momento inaugural em 14 de Junho de 2019.

PUBLICIDADE

A exposição encerra a investigação sobre as esculturas que se espalham pelo concelho de Esposende como arte publica, representando 57 peças, mais de 20 autores, na maioria escultores, onde se destaca José Moreira Rato, Leopoldo Neves de Almeida, Lagoa Henriques, Gustavo Bastos, Artur Varela, José António Nobre, Ascânio Maria Martins Monteiro, Paulo Neves, Volker Schnüttgen e Vhils.

Por último, o Museu lança a primeira ficha sobre as suas coleções, num projeto comum a outros museus da Rede Portuguesa de Museus, intitulado “peça do mês”. Esta primeira peça do mês é uma aguarela de Carlos Basto, autor do painel de azulejos criado para a Rotunda dos Sargaceiros, na entrada sul de Apúlia, e também inscrito como autor na exposição Arte na Rua, servindo de ponte entre os três projetos que se lançam a 18 de Maio.

ACTIVIDADE PARA OS MAIS NOVOS

Dirigida ao público mais jovem, o Museu Municipal de Esposende preparou um desafio dirigido à comunidade educativa que tem como base uma maqueta tridimensional do edifício centenário onde se aloja o Museu Municipal, construído para ser um Teatro e um Club para a elite cultural do inicio do século XX, tendo ali funcionado a primeira biblioteca concelhia, na Sala da Assembleia Esposendense, hoje a Sala dos Azulejos.