JUSTIÇA

JUSTIÇA -
Ex-presidente de IPSS de Braga condenado por burla de 155 mil euros

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal de Braga condenou a dois anos e 10 meses de prisão, com pena suspensa, o ex-presidente da Associação Cultural e Recreativa de Cabreiros (ACRC) António Araújo, por burla à Segurança Social de quase 155 mil euros.

Por acórdão de 7 de Novembro, consultado pela Lusa esta quinta-feira, o tribunal condiciona a suspensão da pena ao pagamento, pelo arguido, daquele montante ao Instituto da Segurança Social, no prazo de dois anos e meio.

PUBLICIDADE

Também arguida no processo, a ACRC, que é uma instituição particular de solidariedade social (IPSS), foi condenada na pena de 850 dias de multa, à taxa diária de 12 euros, num total de 10.200 euros.

A directora técnica da associação, que era igualmente arguida, foi absolvida.

Em contrapartida, o tribunal ordenou que seja extraída uma certidão do processo para procedimento criminal contra um filho de António Araújo, funcionário da ACRC e de nome Manuel Araújo, por eventual co-autoria da burla.

“É nossa forte convicção, uma vez conjugados todos os elementos de prova, que [Manuel Araújo] teve um papel determinante na burla tributária a que se reportam os autos, sendo ele, aparentemente, o executor material dessa mesma burla”, refere o acórdão.

Para o tribunal, Manuel Araújo “parece ter desempenhado o papel” que a acusação atribuía à directora técnica da ACRC.

O tribunal deu como provado que a associação burlou a Segurança Social entre 2013 e 2019, apresentando-lhe para comparticipação valores de serviços a utentes que efectivamente não tinha prestado.

O caso mais flagrante está relacionado com uma utente que, durante dois anos após a sua morte, continuou a figurar nos mapas que a associação enviava à Segurança Social.

“Não estamos perante pequenos lapsos, ocasionais ou isolados uns dos outros, fruto eventualmente do descuido, dando origem a pequenas vantagens patrimoniais, mas perante comportamentos sistemáticos, perpetrados ao longo de um espaço de tempo bastante dilatado (mais de seis anos), dando azo a uma vantagem patrimonial de 154.798,63 euros”, sublinha o tribunal.

Em julgamento, António Araújo, actualmente com 87 anos, optou por não prestar declarações, mas na contestação que anteriormente tinha apresentado negou os factos de que está acusado, afirmando que desconhecia e nunca deu instruções no sentido de serem enviadas à Segurança Social listagens de utentes ou serviços não prestados aos utentes.

Disse que sempre confiou nos funcionários da associação e que estava convencido de que cumpriam “escrupulosamente” as suas atribuições.

No entanto, admitiu que pecou “por omissão, por ter confiado nas listagens que eram enviadas para a Segurança Social, sem prévia verificação”.

Sublinhou ainda que nunca fez sua qualquer quantia destinada à ACRC, proveniente da Segurança Social, adiantando que, ao invés, sempre avalizou letras e livranças para a actividade da associação não parar.

O tribunal destaca o “cariz ou cunho familiar” da associação, de que António Araújo foi presidente durante 36 anos, tendo como vice um genro.

Quando abandonou a presidência, o cargo foi ocupado por um outro seu filho, Benjamim Araújo.

Além disso, Manuel Araújo é funcionário da instituição.

Como único funcionário da secretaria, a Manuel Araújo competia, além do mais, receber os pagamentos efectuados pelos utentes e elaborar e enviar informaticamente as listagens dos utentes à Segurança Social para efeitos de comparticipação.

Em Maio de 2019, quando Manuel Araújo adoeceu, o presidente incumbiu daquela tarefa a directora técnica, que acabou por detectar “algumas situações que julgava provenientes de erro e que corrigiu”.

Foi na sequência destas correcções que a Segurança Social promoveu uma inspecção à associação, detectando recebimentos indevidos de mais de quase 155 mil euros.

Na altura dos factos, a Associação Cultural e Recreativa de Cabreiros atravessava “sérias dificuldades financeiras”, tendo tido necessidade de recorrer ao crédito bancário.

O tribunal ressalva que “não se provou” que António Araújo tivesse beneficiado em proveito próprio das atribuições patrimoniais efectuadas pela Segurança Social.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS