OPINIÃO -
Férias em tempo de pandemia 

Com os dias de calor a aproximarem-se, as dúvidas sobre as férias em tempo de pandemia começam a aumentar. O apelo ao cumprimento das regras de proteção contra a COVID-19, como o distanciamento físico, a higienização das mãos e a etiqueta respiratória, ganham um maior relevo atendendo à época de férias que se aproxima.

É, pois, chegado o momento tão esperado, para restabelecimento de energias, mas serão férias e fins de semana diferentes, com outras regras, em que nos podemos descontrair, divertir, sair do nosso sítio habitual, mas com cuidado, muito cuidado. A pedra de toque será consciencializarmo-nos de que este ano vamos poder fazer férias, sim, mas de forma diferente. Teremos que manter o distanciamento físico em relação a outras pessoas que não aquelas com quem habitualmente convivemos, ressalvando que apenas quem faz parte do mesmo agregado pode manter-se junto.

Em relação a outras pessoas, amigos, familiares, conhecidos e aqueles que nos vão prestar serviços nos locais para onde formos de férias, devem manter-se medidas de distância física, utilizar máscara quando for necessário, não partilhar objetos, manter a higiene frequente das mãos e superfícies.

PUBLICIDADE

Apela-se, assim, a que não haja uma descontração excessiva, pois o vírus não desapareceu. Todos queremos sair da pandemia o mais depressa possível, mas isso depende acima de tudo, de cada um de nós, dos nossos comportamentos e atitudes. Teremos de fazer um último esforço de contenção e de um comportamento afetivo à mesma, divertido à mesma, mas com regra da distância física. A lógica é que as pessoas não se juntem se não pertencem ao mesmo agregado familiar e mais do que sair para Algarve, Alentejo ou qualquer zona do país, é sair com regras.

Ao invés, se está doente, em isolamento profilático, tem teste positivo, trabalha ou mora num sítio onde há surtos ativos neste momento, deve abster-se, sempre que possível e para o mínimo indispensável, de sair do seu domicílio e cumprir as orientações das autoridades de saúde.

Como se prevenir em férias?

A infeção por SARS-COV-2 ainda não tem cura nem vacina, mas pode ser prevenida através de medidas higieno-sanitárias dirigidas ao controlo das vias de transmissão, nomeadamente:

  1. Evitar o contacto com pessoas doentes e, se possível, promover o distanciamento social permanecendo o maior período de tempo diário possível em casa;
  2. Usar máscara, sempre que sair de casa ou se deslocar a locais públicos;
  3. Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com mãos não lavadas;
  4. Lavar as mãos com frequência com água e sabão, durante pelo menos 20 segundos, ou usar um desinfetante à base de álcool;
  5. Espirrar ou tossir para um lenço descartável deitado imediatamente ao lixo, ou alternativamente para o cotovelo, se não tiver lenços, e lavar em seguida as mãos;
  6. Evite aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;
  7. Não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  8. Se se sentir doente, fique em casa.
  9. Se tiver febre, tosse e dificuldade respiratória, procure assistência médica. Ligue antes de sair.
  10. Ligar à linha de Saúde 808 24 24 24 se nos 14 dias após regressar de um país afetado sentir tosse, falta de ar ou febre igual ou superior a 37,8ºC.
  11. Siga as indicações da sua autoridade de saúde local.

Se vai viajar, mas continua com dúvidas, o melhor que tem a fazer para se tranquilizar é descobrir se o hotel, a localidade ou a companhia aérea com a qual vai voar têm algum tipo de restrição. Também é aconselhável consultar o site do Ministério dos Negócios Estrangeiros para saber se deve ou não viajar para um determinado país neste preciso momento.