AMARES -
“Fragmentos”. Agrupamento de Escolas de Amares apresentou novo livro composto por textos de alunos

“Fragmentos” é o nome do novo livro que reúne um conjunto de textos produzidos pelos alunos do Agrupamento de Escolas de Amares. A obra foi lançada na manhã desta quarta-feira na biblioteca da Escola Secundária de Amares, numa sessão que contou com a presença do vice-presidente e vereador da Cultura da autarquia, Isidro Araújo – antigo professor e director daquela escola – da directora do Agrupamento, Flora Monteiro, e ainda do professor bibliotecário, Jorge Brandão. Nota, ainda, para a presença de outros membros da equipa da biblioteca (também responsáveis pela concepção do livro), professores e muitos alunos participantes.

O livro – que agora será distribuído e oferecido a todos ao alunos que participaram com textos nesta colectânea – está enquadrado num projecto mais abrangente de promoção da escrita e da leitura, que já vem desde 2003, em que todos os anos é editada uma publicação com vários textos produzidos por alunos e professores. Procede, assim, ao livro anterior intitulado”100 Máscaras”.

Conforme afirmou Jorge Brandão, professor bibliotecário na Secundária de Amares, «fazer este levantamento e recolha – muitas vezes em sala de aula e em iniciativas que decorrem do contexto das escolas, quer concursos ou oficinas – é um trabalho árduo, mas que nos dá prazer quando se  chega a este dia, ficando nas nossas e nas vossas mãos».

PUBLICIDADE

Já Flora Monteiro, directora do AE de Amares, sublinhou o trabalho e o contributo de todos os envolvidos na concepção da obra (desde alunos, professores, equipa da biblioteca, patrocinadores), notando que «a escrita tem este condão quase mágico de tirar as nossas mensagens e o que queremos expressar, levando-as para fora do nosso tempo e do nosso espaço, tornando tudo quase eterno».

O vice-presidente e vereador da Cultura da Câmara Municipal de Amares, Isidro Araújo, começou por afirmar que «fragmentos são pedaçinhos de coisas e este livro acaba por ir a tudo o que é a globalidade do trabalho feito pelos alunos. O livro tem registos diversos –  “fragmentos” – e é verdadeiramente completo quando vai buscar até os mais novos, do 1º e 2º ciclos, quer seja na criação poética, quer seja nos trabalhos em prosa. É muito importante como elemento motivador e gerador de interesse para “continuar de volta” da língua».

No final da sessão houve ainda tempo para uma homenagem a Isidro Araújo, que para além da carreira política foi também professor e director daquela escola, tendo-lhe sido entregue uma lembrança e lido um texto para homenagear o seu contributo em favor da Cultura e da Educação no Concelho de Amares.

PRÉMIO ESCOLAR SÁ DE MIRANDA NA CALHA

Ainda na sessão, Isidro Araújo revelou que irá sugerir à próxima vereadora responsável pela Cultura a criação de um Prémio Escolar Francisco Sá de Miranda, lembrando aquele que foi criado pelo Município em 2019 (Prémio Literário Sá de Miranda, de dimensão internacional).

«Fica o meu compromisso de trabalhar nesse dossíê e falar nesse sentido, para criar um Prémio Escolar Sá de Miranda que seja atribuído nos anos contrários ao Prémio Literário. A ideia seria premiar um aluno da Escola Secundária de Amares que no exame nacional de língua portuguesa tivesse a melhor nota, incentivando assim ao estudo da língua».