OPINIÃO

OPINIÃO -
Municipalização da Proteção Civil

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Opinião de João Ferreira

 

Em mês de eleições autárquicas nunca será demais relembrar as responsabilidades dos nossos candidatos.

PUBLICIDADE

A Proteção Civil tem dado passos importantes na proximidade com o cidadão. Uma dessas medidas foi a transferência de competências e estruturação da Proteção Civil nas Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia (DL nº 44/2019).

Embora estas entidades sejam responsáveis não podemos esquecer que o cidadão é o principal ator.

De uma forma simplista, a protecção civil a nível municipal é da responsabilidade do presidente de câmara, sendo este a autoridade municipal de proteção civil, e é composta pelo Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC) dirigido pelo Coordenador Municipal de Proteção Civil, pela Comissão Municipal de Proteção Civil (CMPC) onde podem ser criadas subcomissões e pelo Centro de Coordenação Operacional Municipal (CCOM).

A proteção civil municipal tem como objetivo planear soluções de emergência para diversas situações, tais como: salvamento, evacuação, alojamento e abastecimento das populações, incluindo a realização de simulacros.

Em cada município tem de existir um plano municipal de emergência de proteção civil para enfrentar as situações de emergência de cada território, este actualizado de 5 em 5 anos.

Quais as principais mudanças com a entrada desta lei? Basicamente há um reforço das competências dos órgãos municipais nesta área. Os municípios e as freguesias ganham mais poder de intervenção na área da proteção civil.

Para esclarecer melhor, o SMPC tem responsabilidade em 4 importantes áreas: prevenção e avaliação de riscos e vulnerabilidades; planeamento e apoio às operações; logística e comunicações; sensibilização e informação pública.

A CMPC tem competência para: diligenciar a elaboração dos Planos Municipais de Emergência de Proteção Civil (PMEPC); promover e difundir comunicados e avisos à população; acompanhar as políticas diretamente ligadas ao sistema de proteção civil.

A câmara municipal tem competências para: Elaborar o PMEPC e acompanhar a sua execução; dar pareceres quanto ao estabelecimento de medidas preventivas; ativar e desactivar o PMEPC ou Planos Especiais de Emergência de Proteção Civil (PEEPC). Esta competência é exclusiva do Presidente da Câmara.

A Junta de Freguesia tem competências para: prever e avaliar riscos; sensibilizar e informar a população; apoiar quando existirem ocorrências. As juntas de freguesia podem deliberar a existência de Unidades Locais de Proteção Civil (ULPC).

O Coordenador Municipal de Proteção Civil atua exclusivamente na sua área geográfica, dirige o SMPC, acompanha as operações de protecção e socorro de PC no concelho, promove reuniões de trabalho sobre matérias de protecção e socorro, elabora planos, convoca e coordena o CCOM.

Ainda existe nos municípios uma Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (CMDFCI) que pode é apoiada pelo Gabinete Técnico Florestal (GTF).

São Agentes de Proteção Civil: Corpos de Bombeiros; Forças de Segurança; Forças Armadas; órgãos da Autoridade Marítima Nacional; Autoridade Nacional da Aviação Civil; INEM,I.P., e demais entidades públicas prestadoras de serviços de saúde; Sapadores Florestais. A CVP exerce, em cooperação com os demais agentes e de harmonia com o seu estatuto próprio funções de protecção civil nos domínios da intervenção, apoio, socorro e assistência sanitária e social.

Como dizia Dalai Lama, “a responsabilidade de todos é o único caminho para a sobrevivência humana”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS