AMBIENTE – Praticante de plogging de Braga queixa-se das ‘beatas’ a Greta Thunberg

AMBIENTE –
Praticante de plogging de Braga queixa-se das ‘beatas’ a Greta Thunberg

Carlos Dobreira, o conhecido activista ambiental, vai escrever a Greta Thumberg e ao secretário geral das Nações Unidas, António Guterres, a queixar-se dos resultados de mais duas acções de plogging, realizadas desta feita na freguesia de Palmeira, em Braga, e na praia da Apúlia, no primeiro dia de 2020. As duas acções foram anunciadas no facebook da activista sueca.

Já não é a primeira vez que o praticante de plogging bracarense se queixa às instituições internacionais das beatas e do plástico que tem encontrado quando pratica esta modalidade, que combina a corrida com a colecta de lixo. Ainda recentemente, após uma acção de plogging no Bom Jesus de Braga, enviou uma queixa à UNESCO.

Esta quarta-feira, Dobreira recolheu na Apúlia, Esposende, que diz ser um “santuário” para a prática da modalidade, um saco de 150 litros de plásticos e 166 beatas de cigarro em 1 hora e 15 minutos. A sessão decorreu entre o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN), a avenida Marginal Cedovém e a Praia da Apúlia, “ou seja, os locais onde decorreram os eventos Apúlia a Correr e Mergulho do Ano 2020”.

PUBLICIDADE

“Foi relevante esta sessão ter acontecido no primeiro dia de 2020. Para além do impacto da sessão de plogging, estiveram expostas 20 390 beatas de cigarro frente ao ISN”, afirma Dobreira.

Já a primeira sessão de plogging do ano teve como palco “simbolicamente” Palmeira – “uma das freguesias mais poluídas do concelho de Braga” – , na rua Professor Mota Leite. Aqui recolheu 200 beatas de cigarro em 11 minutos.

Face aos resultados das duas acções, o activista considera “uma tragédia” o que está a acontecer em Portugal, em concreto na Comunidade Inter-Municipal (CIM) Cávado.

“Desde o dia 3 de Junho de 2019 até à data, nas sete acções de plogging por mim promovidas e realizadas nos concelhos de Amares, Braga, Esposende, Ílhavo e Seia já foram recolhidas 20 390 beatas de cigarro e 1 400 litros de lixo num tempo despendido de 78 horas e 28 minutos”, contabiliza.

O concelho de Braga, refere Carlos Dobreira, regista o maior número de beatas de cigarro recolhidas com 14 505, seguindo-se os concelhos de Seia (4 260), de Esposende (1 448), de Amares (120) e de Ílhavo (57). Em relação ao lixo indiferenciado e resíduos recicláveis, no concelho de Braga recolheu 1 000 litros, seguindo-se os concelhos de Esposende (280 litros) e de Seia (120 litros).