OPINIÃO

OPINIÃO -
Quantas batatas enchem um porquinho mealheiro? A importância da literacia financeira.

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Artigo de Vera Morgado

 

– Sabias – perguntou a mãe – que este cartão é como um mealheiro? Tem moedas. 

PUBLICIDADE

– Onde estão? Tira! – respondeu a criança de 2 anos.  

– Porquê, precisas? – questionou novamente a mãe. 

– Sim! – afirmou a criança entusiasticamente – Para pôr no mealheiro e comprar carrinhos e bananas.

Um dia, uma amiga dizia-me que quando era pequena era pobre, mas não sabia. Que o que mais gostava era de ir às compras com o pai e ver quem ganhava a procurar os números mais pequeninos nas prateleiras. Só muito mais tarde entendeu o motivo. 

O certo é que, seja qual for a quantidade disponível, o dinheiro será sempre um recurso limitado. Por isso, entender o seu valor é fundamental, desde cedo. Mas como fazê-lo, quando nós próprios não aprendemos? Na minha opinião, simplificando. Mesmo sem os termos técnicos, todos temos, pelo menos, um orçamento familiar para gerir. 

Se o objetivo é encher o mealheiro, está a poupar. E se tem um objetivo concreto, está a planear a médio e longo prazo. Se ensinarmos as crianças a pagar pequenas compras, aprendem o conceito de consumo e de meios de pagamento.

Se querem algo de que não precisam, aproveitamos a oportunidade para as ensinar a distinguir o que é essencial de acessório e a diferença entre precisar e querer. Disponibilizamos-lhes um pequeno orçamento para gerirem, com ou sem regularidade. Aprendem a planificar, identificar receitas e despesas, fixas ou variáveis. Se os incentivarmos a afetar um montante para imprevistos ou projetos maiores, estão a considerar o risco e a incerteza. 

Se quer muito algo e o leitor é agricultor, explique-lhe quantos quilogramas de batatas tem de plantar para lhe dar o que ela quer. Se for contabilista, quantas horas tem de trabalhar e estar longe de casa. 

As finanças não são um bicho papão, não as devemos temer, ignorar ou fugir delas. É preferível lidar com tranquilidade e prepararmos as gerações do futuro para a tomada de decisões financeiras às quais não poderão fugir.  Temos vários recursos, mais ou menos criativos, à nossa disposição para ensinar atitude, comportamento e competências financeiras, desde blogues, jogos, livros e o próprio Referencial de Educação Financeira e o Plano Nacional de Formação Financeira.

A minha amiga era rica, porque tinha um pai sábio e de grande qualidade, que a ensinou a gerir o dinheiro em função das suas possibilidades. Chama-se poder de compra e, como estes dias precisamos de cada vez mais moedas para comprar a mesma quantidade de carrinhos e bananas (é a inflação), arranje um porquinho mealheiro e batatas, seja em que formato for.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS