OPINIÃO

OPINIÃO -
Serão donos da América e de outros?

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Opinião de Marco Alves

 

Não é uma religião, mas é religiosa, não é um movimento político, mas muitos dos seus membros foram alguns dos maiores reformistas políticos e sociais da história. A maçonaria constitui-se em poder indireto, uma vez que se torna um local de discussão de questões com tendência política, sem, contudo, estar sob controlo e vigência do Estado.

PUBLICIDADE

A maçonaria esteve sempre presente nas grandes resoluções de história. Nos Estados Unidos, ela está profundamente ligada à história de desenvolvimento do país. Uma das bases da filosofia maçon é a frase “Liberdade, Igualdade e Fraternidade.” Não é difícil de associar esta sociedade secreta à Revolução Francesa, assim como em tantas outras revoluções e lutas pela liberdade.

Podemos dar diversos nomes, mas as sociedades secretas sempre estiveram presentes, muitas vezes, até mesmo com uma participação ativa, para mudar ou manter o rumo da História.

Apesar de ter surgido na Europa, foi quando chegou aos EUA que a confraria aplicou o prazer de conseguir influenciar grandes decisões políticas e sociais. Os grandes acontecimentos dos EUA foram pormenorizados e colocados em prática no interior de lojas maçónicas. Em 1773, a festa de chá de Boston foi um elemento-chave para o desenrolar da revolução americana que funcionou como protesto feito por comerciantes contra os impostos abusivos cobrados pelo governo britânico, tendo sido organizada por membros da Maçonaria. E é claro que também estiveram envolvidos no conjunto que desenvolveu a independência dos EUA a 4 de julho de 1776. Dos 55 homens que assinaram a Declaração de Independência, nove eram maçons. Aliás, grandes nomes desse período eram membros declarados da Ordem, como Benjamin Franklin e George Washington, que inclusive era Grão-Mestre da loja Alexandria. Não é por acaso que Washington, capital dos EUA, tem inúmeras referências à maçonaria.

A maçonaria foi considerada pelo comunismo como organização do radicalismo burguês, destinado a semear ilusões e a prestar seu apoio ao capital organizado em forma de Estado. Em 1914, o partido socialista italiano expulsou os seus maçons das suas formações de militantes. Em 1945, o nazismo impediu o funcionamento das lojas maçónicas na Alemanha, todos os arquivos encontrados sobre a maçonaria foram confiscados e queimados, seus líderes foram assassinados sob pretexto de que a Ordem mantinha relações ilícitas com o Judaísmo.

Shakespeare, Fleming, Chaplin, Churchill, Egas Moniz, Camilo Castelo Branco, Bernardino Machado são nomes bem conhecidos que fizeram parte da maçonaria, história internacional e nacional.

Se o homem é o espelho de Deus, porque é que o mundo se encontra numa situação tão deplorável?

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS