AMARES

AMARES -
Tribunal confirma proibição de passagem de camiões na rua da Bracicla

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal Administrativo de Braga indeferiu a providência cautelar interposta pela empresa Bracicla contra a Câmara de Amares, por causa do fecho da rua Santo Aleixo/Travessa de Monte Rabadas entre Figueiredo e Prozelo, o que impede a passagem dos seus camiões. Mas a firma fez um requerimento de suspeição do juiz, Nuno Cerdeira Ribeiro, alegando que foi adjunto e assessor jurídico do presidente da Câmara, Manuel Moreira.

O litígio prende-se com a passagem, naquela artéria, de camiões para os armazéns da Bracicla, que incomodam os moradores da zona.

PUBLICIDADE

O Município começou por proibir o atravessamento entre as 20h00 e as 08h00 e depois construiu uma estrada paralela que vai ter a um muro dos armazéns.

A partir daí, decidiu, em reunião de Câmara, em Dezembro de 2021, fechar a rua de Santo Aleixo a pesados, para forçar a Bracicla a abrir uma entrada e acabar com o problema.

«Investimos 250 mil euros, a bem do sossego dos moradores. Os camiões ocupam a rua toda e põem, também em causa, a segurança dos peões. Agora, é só abrir um portão e fazer uma rampa. O acesso está feito e só não o concluem por teimosia», disse ao jornal “O Amarense” o presidente da autarquia, Manuel Moreira, acrescentando que se a Bracicla não recorrer a rua será fechada.

Sobre o facto de o magistrado ter sido seu adjunto, afirma que «isso em nada afeta a sua independência e a decisão judicial».

NÃO HÁ TEIMOSIA

Esta versão é contrariada por António Veloso, o gestor da empresa que se dedica à reciclagem de papel e de cartão.

«Não há teimosia nenhuma. O local onde a nova rua termina, junto ao nosso muro, implicava obras de remoção dos cabos elétricos, de telecomunicações e outros, que estão enterrados a apenas 70 centímetros de profundidade e que, por isso, colapsariam se os camiões passassem por cima», afirma.

O empresário salienta que teriam de ser mudada toda a cablagem do empreendimento, que custaria 900 mil euros. Além disso, teria de ser substituída a balança que pesa os camiões à entrada e que gira com eles em cima, de modo a que possam sair sem fazer manobras.

«Com os cabos novos e a balança, o custo atingiria mais de um milhão de euros, o que é incomportável», precisou.

António Veloso assegura que não está a fazer birra, como qualquer técnico do sector o pode confirmar. «Estão aqui investidos 15 milhões de euros, que estamos a amortizar, temos 50 trabalhadores e exportamos 80 por cento dos nossos produtos reciclados. Se fecharem a rua, ficamos inoperacionais e podemos encerrar», adverte.

O empresário diz que «compreende e aceita» as queixas dos residentes, mas sublinha que «o problema se soluciona desviando a nova rua em dez metros», de forma a coincidir com a entrada principal do complexo.

«Estamos dispostos a cooperar financeiramente para essa alteração, mas os terrenos não são nossos, estão num parque industrial da Câmara», assinala.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS