REGIÃO -
BE denuncia ameaça ao património arquitectónico modernista de Viana de Lima em Esposende

O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) questionou o Governo sobre obras feitas em edifícios e que põem em causa “importantes exemplares da arquitectura modernista” dos anos 40, no concelho de Esposende, acusando a autarquia de não respeitar o Plano Director Municipal (PDM).

Em causa estão as moradias do arquitecto Viana de Lima, na avenida Engenheiro Eduardo Arantes e Oliveira, viradas para a foz do rio Cávado, edificadas na segunda metade da década de 1940, que se encontram “ameaçadas por intervenções que as têm vindo a adulterar”.

No documento entregue na Assembleia da República, os deputados do BE eleitos pelo círculo de Braga, José Maria Cardoso e Alexandra Vieira, referem que “as casas têm vindo a ser alvo de alterações e acrescentos que ameaçam a preservação daquele importante património arquitectónico modernista português”. Por isso, querem saber se o Ministério da Cultura prevê classificar o conjunto de moradias modernistas e que medidas vão ser adoptadas para evitar que estas sejam “irremediavelmente adulteradas”.

PUBLICIDADE

Segundo os deputados, “uma das moradias foi de tal forma adulterada que se encontra hoje irreconhecível”. “Em 2017, a Câmara Municipal de Esposende licenciou obras de ampliação e construção de anexos ao imóvel, autorizando a completa descaracterização do edifício, cujo exterior se pautava pela simetria relativamente à moradia que a confina”, denunciam.

Os bloquistas afirmam que “a Câmara não deve continuar a autorizar a adulteração destes edifícios, pois tem o dever de zelar pelos valores patrimoniais do município” e que esta postura “contrasta com a promoção que faz desse mesmo património”, fazendo referência ao roteiro ‘Modernismo em Esposende’, criado em 2017 pela Câmara, que convida a população e visitantes do concelho a descobrir e apreciar o património arquitectónico ímpar de Esposende e que inclui a passagem pelo conjunto de nove moradias de Viana de Lima na avenida Engenheiro Eduardo Arantes e Oliveira.

PDM VIOLADO

Os bloquistas acusam a Câmara Municipal de Esposende de não respeitar o PDM de Esposende, uma vez que “a salvaguarda do património edificado, em geral, e das moradias da autoria de Viana de Lima, em particular, está prevista no artigo 78.º do PDM de Esposende, revisto em Julho de 2015 (Aviso n.º 10643/2015, de 18 de Setembro) que estabelece, no ponto 1, que ““as disposições relativas à salvaguarda e protecção do património edificado constantes do presente artigo aplicam-se aos elementos singulares enumerados no Anexo VII (…)”.” As moradias da autoria de Viana de Lima constam do anexo VII do PDM.

José Maria Cardoso e Alexandra Vieira indicam ainda que está ainda em causa o ponto 3 do artigo 78.º do PDM, que determina que “deve ser impedida (…) quaisquer intervenções que neles se pretendam efectuar, sempre que considere que tais acções podem diminuir ou prejudicar o seu interesse e valor histórico-cultural”.

“O Bloco de Esquerda considera que o executivo da Câmara Municipal de Esposende deve assumir todas as suas responsabilidades sobre as decisões tomadas nos processos de licenciamento de obras que têm vindo a adulterar o singular património arquitectónico modernista da autoria de Viana de Lima”, salientam os deputados no documento.

“Para evitar a repetição de situações como as aqui expostas, o conjunto de moradias modernistas deve ser classificado e, deste modo, protegido de ímpetos que as descaracterizam. Urge ainda repor o traçado original das moradias, restituindo-lhes os elementos arquitectónicos que determinam os seus valores patrimoniais”, concluem.