REGIÃO -
Criação de novas empresas cai 14% e falências diminuem 10% até Setembro ano em Guimarães

A criação de novas empresas caiu 13,9% em 2020 em relação ao período homólogo de 2019, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Nos primeiros oito meses deste ano abriram as portas 323 empresas, meses 52 face a 2019,

PUBLICIDADE

De acordo com os dados do INE revelados recentemente, registou-se ainda uma diminuição do número de encerramentos de empresas (-9,9%), passando das 141 registadas em 2019 para 127 neste ano de 2020.

O INR revela ainda que até Setembro foram criadas nove novas empresas por semana.

Entre as empresas criadas e as dissolvidas em 2020, conclui-se ter havido um saldo positivo de 106. Quando comparado com o mesmo período de 2019, Guimarães viu o número de novas empresas em actividade diminuir 13,7%, passando das 227 para as 196.

Em Agosto foram criadas 36 novas empresas contra nove dissolvidas, ou seja, um saldo positivo de 27 novas empresas.

Os indicadores estatísticos revelam que o comércio (105) e a indústria transformadora (52) estão a animar a economia concelhia no corrente ano.

Os investimentos em actividades ligadas ao comércio (grosso e a retalho) e a indústria transformadora são responsáveis pela constituição de 141 entidades: 48,6% das pessoas colectivas criadas nos primeiros meses de 2020.

Para além do comércio e da indústria transformadora, que lideram o ranking da criação de empresas, durante os meses de Janeiro e Agosto do corrente ano, as outras actividades económicas que registam mais dinamismo estão relacionadas com o alojamento, restauração e similares (31) e a consultoria (28), bem como as actividades imobiliárias (22) e a construção (21).