REGIÃO -
Guimarães admite que espectáculo com mil pessoas foi sinal contraditório

O presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, admitiu esta segunda-feira que a realização de um espectáculo no concelho com cerca de mil pessoas “deu um sinal que vem contradizer todo o recente discurso” da autarquia em relação ao covid-19.

Citado num comunicado, Domingos Bragança acrescentou que todo o esforço de comunicação do município na prevenção da covid-19 “não pode ser comprometido por eventos culturais, ou outros, passíveis de reunirem um grande número de pessoas”.

Recorde-se que de acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS) desta segunda-feira, Guimarães registou mais 139 novos casos positivos de covid-19 numa semana, somando agora um acumulado de 1.556 casos.

PUBLICIDADE

Falando no final da reunião do executivo, o autarca justificou, assim, a decisão, anunciada no domingo, de suspender a realização de eventos culturais nos equipamentos do município até à realização da reunião da Protecção Civil, que ocorre na terça-feira.

“Quero ouvir as senhoras delegadas de saúde sobre o assunto, bem como os responsáveis das restantes entidades, pois a situação que vivemos no Concelho de Guimarães poderá obrigar à adopção de medidas mais restritivas”, disse.

Na noite de sexta-feira, um espectáculo no Multiusos de Guimarães com os humoristas Hugo Sousa, Ana Garcia Martins (Pipoca mais Doce) e Nilton. Juntou, segundo o município, 964 pessoas, o que corresponde a 40 por cento da lotação do espaço.

Assim, ainda segundo o município, foi cumprido o plano de contingência aprovado pelas autoridades de saúde.

O espectáculo foi promovido pela Tempo Livre, uma régie-cooperativa que conta com 65 cooperantes, sendo a Câmara Municipal o seu principal accionista.

No domingo, e “em face das notícias e imagens” sobre o espectáculo, que sugeriram despeito pelas regras de segurança sanitária associadas ao covid-19, a Câmara determinou a suspensão temporária dos espectáculos programados para todos os equipamentos culturais do concelho.

“Mais do que o cumprimento das regras, está em causa a percepção de menos exigência nas regras de protecção da pandemia que passamos para todos os nossos munícipes”, explicou Domingos Bragança esta segunda-feira.

O comunicado lembra que a posição do autarca perante o aumento de casos de covid-19 no concelho “tem sido de prudência máxima”, como é exemplo o aconselhamento de uso de máscara em espaço público, medida, até ao momento, não adoptada pela DGS.

Foto: Multiusos Guimarães