UMINHO -
UMinho tem dois dos cientistas mais citados no mundo

José António Teixeira e António Vicente, do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho, estão entre os cientistas mais citados no mundo por outros investigadores. A confirmação é dada hoje pela lista Highly Cited Researchers 2020, da norte-americana Clarivate Analytics, que inclui 6167 cientistas de mais de 60 países, sendo dez deles em Portugal, menos um face à edição de 2019 e quatro face à de 2018. O ranking incide no período 2009-2019 e apenas sobre os artigos altamente citados, que representam 1% do que se publica no mundo e para 21 áreas de conhecimento.

Este é o terceiro ano consecutivo – diz a Reitoria – que a dupla da UMinho surge na área das ciências agrárias da lista. O cenário evidencia a estratégia desta instituição na investigação, nomeadamente do CEB, que aumentou a sua visibilidade e tem sido o centro de I&D nacional com mais cientistas naquele ranking. Por exemplo, José António Teixeira teve os seus artigos citados 17.784 vezes e é uma referência na biotecnologia industrial e biotecnologia alimentar, tendo recebido vários prémios. António Vicente teve os seus artigos citados 10.892 vezes e está ligado a inovações como ecoembalagens, compostos funcionais e bioativos e nanossistemas para aplicações alimentares.

ANÁLISES BIBLIOMÉTRICAS

PUBLICIDADE

As análises bibliométricas da lista foram realizadas pelo Instituto de Informação Científica do grupo Web of Science, que “pesou” os artigos científicos da mesma coorte anual, retirando a vantagem da citação de artigos mais antigos perante os mais recentes. Os países mais representados no ranking são os EUA (2651 cientistas), China (770), Reino Unido (513), Alemanha (345) e Austrália (305). Portugal surge em 16º lugar europeu e 31º no mundo. A lista inclui 26 Prémios Nobel e a Universidade de Harvard (EUA) lidera no volume de cientistas (188).

As citações – assinala a Universidade – “são um dos critérios mais utilizados para produzir rankings de instituições de ensino superior e demonstram a influência significativa de um grupo de investigadores entre os seus pares”.